CRIME BANAL

Jovem de 20 anos é executado por irmãos durante mudança

Motivação do crime foi uma mera troca de olhares na rua
05/06/2019 08:42 - RAFAEL RIBEIRO


 

Lucas Alisson Nunes Souza, 20 anos, foi assassinado na noite de terça-feira (4), na Vila Cachoeirinha,  bairro na periferia de Dourados. Segundo a polícia, dois autores são investigados pelo crime, irmãos de 16 e 20 anos, que moram próximo ao local dos fatos. Uma adolescente que estava no local também foi atingida. As informações são do portal 'Dourados News'.

Segundo o portal, a vitima estava ajudando em uma mudança, quando dois homens em uma moto passaram em frente ao local e atiraram uma única vez, atingindo as costas de Souza. Mesmo ferida, a vítima tentou correr para os fundos da casa, mas acabou morrendo na varanda.

De acordo com a polícia, os motivos para a execução do rapaz foram banais. Os investigadores apuraram que quando os irmãos cruzavam com Souza pelas ruas do bairro, ambos se encaravam e a partir disso surgiu uma rixa entre eles, sem qualquer motivo realmente fundamentado. 

Souza estava junto de outras quatro pessoas quando o crime ocorreu. Em determinado momento, a dupla passou pelo local e, segundo testemunhas, um deles disse “e ae safado”. Imediatamente o outro acusado sacou revólver e disparou três vezes contra a vítima.

Um tiro acertou Lucas nas costas, transfixando no peito. Outro tiro atingiu de raspão a perna de uma adolescente de 16 anos que estava no imóvel. O terceiro disparo se dispersou no local. 

A dupla fugiu e até o momento não foi localizada. A Polícia Civil continua investigando o caso.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".