Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

VAZA JATO

Jornalista do Intercept se diz espantado com debate sobre sigilo de fonte

Leandro Demori afirmou ser impossível publicar todo o material

21 AGO 19 - 19h:24ADRIEL MATTOS

Em Campo Grande para ministrar uma palestra, o editor-executivo do site The Intercept, Leandro Demori, se disse espantado com o debate público sobre o sigilo da fonte. O Intercept vem publicando desde junho uma série de reportagens sobre os bastidores da Operação Lava Jato.

“Nunca vi um debate tão grande sobre fonte jornalística no Brasil como agora. Por um lado, me espanta o interesse de muitos colegas [jornalistas] e analistas em querer debater a fonte do Intercept”, afirmou o jornalista. Intitulada “As mensagens secretas da Lava Jato”, a série está publicando diálogos entre procuradores da força-tarefa em Curitiba (PR), outros membros do Ministério Público Federal (MPF) e também o ex-juiz da operação e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Com vários trechos sensíveis e alguns de foro íntimo, a equipe do site está analisando o pacote de mensagens, que recebeu por uma fonte anônima, e evitar a exposição pública de quem não é relevante para o caso. “É impossível divulgar todo o arquivo, porque pode pode haver conversas de foro íntimo ou conversas absolutamente banais que não tenham nenhum interesse público”, explicou Demori.

Até agora, o site publicou 15 reportagens da série que já ficou conhecida como “Vaza Jato”. Outros veículos também tiveram acesso ao material e também publicaram mensagens: os jornais Folha de S. Paulo e El País, a revista Veja, o site BuzzFeed News, a rádio BandNews e o colunista Reinaldo Azevedo.

“O que estamos fazendo é olhando o material, identificando o que tem interesse público, e em cima disso, fazemos apurações muito extensas, ouvir fontes externas, pesquisar o que estava acontecendo e na própria Lava Jato naquele momento”, relatou o jornalista.

A palestra “Jornalismo Investigativo e Democracia: A Experiência do Intercept Brasil” foi ministrada na noite desta quarta-feira (21) no auditório da Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems), e organizada pelo Sindicato de Jornalistas do estado (Sindjor-MS), pelo curso de Jornalismo da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e pelo coletivo Jornalistas pela Democracia.

SÉRIE

Publicada desde junho, a série de reportagens do Intercept revelou diálogos pelo aplicativo Telegram entre membros da Lava Jato e o ex-juiz Sérgio Moro, que colocam em xeque a lisura dos procedimentos de investigação e julgamento da operação.

Desde as primeiras publicações, Moro e o procurador Deltan Dallagnol negaram ter ultrapassado limites legais e questionaram a autenticidade das mensagens.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Mudanças no Proinc garante benefícios para 2,4 mil trabalhadores
CAMPO GRANDE

Mudanças no Proinc garante benefícios para 2,4 mil

Gastos de deputados <br> passarão a ser divulgados
APÓS COMPRAR BEBIDA

Gastos de deputados
passarão a ser divulgados

Com R$ 84 milhões para receber, Agehab dá desconto a 11 mil inadimplentes
RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

Com R$ 84 milhões para receber, Agehab dá desconto a 11 mil inadimplentes

Maníaco sexual já fez<br> seis vítimas, diz polícia
ESTUPRADOR EM SÉRIE

Maníaco sexual já fez seis vítimas, diz polícia

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião