Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

investigação

JBS usou conta do Aquário do Pantanal
em esquema de propina

Os pagamentos constam de investigação da Polícia Federal

16 SET 17 - 17h:04Silvia Frias

Uma conta destinada às despesas da obra do Aquário do Pantanal foi utilizada para pagamento de propinas pela JBS, com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O esquema faz parte de nova investigação da Polícia Federal e foi descrita em despacho da Justiça Federal, em resposta a recurso de investigados na Operação Lama Asfáltica.

O recurso foi protocolado por Rodolfo Pinheiro Holsback, dono das empresas H2L Equipamentos e HBR Medical Equipamentos Hospitalares, que questiona a competência da Justiça Federal na investigação e no decreto de busca e apreensão em cinco endereços no decorrer da Operação Lama Asfáltica e os desdobramentos.

No despacho dado pela Justiça, que indeferiu o pedido, consta o histórico da investigação da Polícia Federal contra as empresas, com depósitos e saques questionáveis pelo volume movimentado e os contratos com órgãos do governo do Estado. Da conta da H2L, por exemplo, entre os anos de 2012 e 2014, foram identificados saques que totalizaram R$ 1,769 milhão, o que seria indício de pagamento de propina, por conta da ocultação dos beneficiários/destinatário dos valores.

Na justificativa da competência da Vara Federal, é citada a conexão probatória, já que novos fatos investigados evidenciam a continuidade do esquema criminoso, desta vez, com recursos BNDES. “Trata-se, em tese, de extensão do mesmo esquema criminoso, com os mesmos agentes e modos de atuação. A conta denominada CEF/Aquário, de titularidade da PROTECO, que, em tese, recebeu re-cursos oriundos de estelionato contra o BNDES conforme evidenciado nas fases anteriores da investigação, e que tinha como finalidade principal efetuar o pagamento das despesas relacionadas à obra do AQUÁRIO DO PANTANAL, também foi destinatária dos supostos pagamentos de propina pela JBS."

A assessoria do Governo do Estado diz que nenhum pagamento a Proteco foi feito na atual gestão e desconhece a denúncia.

NOVELA
A obra do Aquário do Pantanal teve início em 2011, foi interrompida em janeiro de 2015, retomada em abril daquele ano, e paralisada definitivamente em setembro, em consequência do efeito da Operação Lama Asfáltica. O contrato com a Proteco foi suspenso ue, juntamente com a Egelte, executava a estrutura física do complexo.

Até agora, o valor já aplicado ou em caixa, para a conclusão de todo o complexo Aquário do Pantanal é de R$ 200.056.710,40. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Polícia apreende uma tonelada de droga nas rodovias durante feriado
OPERAÇÃO CORPUS CHRISTI

Polícia apreende uma tonelada de droga nas rodovias durante feriado

Incêndio em vegetação se alastra e destrói barracos em rodovia
CAMPO GRANDE

Incêndio em vegetação se alastra e destrói barracos

Mais de 13% dos motoristas profissionais de MS fazem uso de drogas
COCAÍNA É A PRINCIPAL

Mais de 13% dos motoristas profissionais de MS fazem uso de drogas

BRASIL

Ministério da Agricultura divulga registro de 42 agrotóxicos

Mais Lidas