Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

desde 2015

Investigação aponta atuação de organização criminosa no Detran

Cúpula do Departamento de Trânsito foi presa durante operação hoje

29 AGO 17 - 17h:35RODOLFO CÉSAR

Investigação que teve operação desencadeada hoje pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual, aponta que o Detran no Estado serve para prática de corrupção ativa e passiva, fraude em licitação e é alvo de atuação de organização criminosa que também pratica lavagem de dinheiro desde 2015.

Toda a cúpula do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul foi presa, após cumprimento de mandados de prisão preventiva. Foram levados para unidade prisional o diretor-presidente Gerson Claro Dino; o diretor-adjunto Donizete Aparecido da Silva; o chefe de departamento Erico Mendonça; o diretor de administração e finanças Celso Braz de Oliveira Santos; e o diretor de tecnologia Gerson Tomi.

Também foram cumpridos mandados de prisão preventiva contra José do Patrocínio Filho, Fernando Roger Daga e Anderson da Silva Campos, sócios e o último ex-sócio da empresa Pirâmide Informática.

Na Secretaria de Governo, o servidor público Luiz Alberto de Oliveira Azevedo foi outro investigado preso preventivamente. Ele tem cargo de assessor e analista de tecnologia da informação.

De forma temporária, foi preso hoje também o ex-deputado Ary Rigo, suspeito da prática de crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção por conta de sua ligação com a DigithoBrasil, que atualmente usa o nome fantasia de Digix. A  empresa de tecnologia tem contratos milionários com o governo do Estado.

O sócio da DigithoBrasil, Jonas Schimidt das Neves, e seu secretário, Claudinei Mastins Rômulo, foram outros dois investigados presos temporariamente hoje.

"O Gaeco deflagrou a Operação Antivírus com o objetivo de dar cumprimento a nove mandados de prisão preventiva, três mandados de prisão temporária e 29 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo juiz Mário José Esbalqueiro Júnior, da comarca de Campo Grande", informou nota do Ministério Público Estadual.

O magistrado que autorizou os mandados está lotado na 2ª Vara/Ofício de Execução Penal .

Segundo o MPE, os envolvidos são investigados por formar uma organização criminosa que fraudava licitações em contratos celebrados entre empresas da área de tecnologia da informação e informática com o governo do Estado.

BUSCAS

Para auxiliar no andamento das investigações, promotores e policiais ligados ao Gaeco fizeram devassa e apreenderam material nos gabinetes dos diretores do Detran, na casa e gabinete de servidor público lotado na Secretaria de Governo, e em casa e gabinete de Parajara Moraes Alves Júnior, apontado como funcionário lotado no Tribunal de Contas do Estado (TCE).

A busca por provas ainda foi feita na Produtora Casa Brasil (M2 Comunicações Ltda.), na DigithoBrasil, Digitec (A3A) e Digitho (M3M); também na empresa Master Case Digital Business Ltda.

"Todos os mandados foram cumpridos e foram apreendidos cerca de R$ 95 mil em posse de um dos alvos, além de milhares de documentos, computadores, notebooks, tabletes, e celulares de todos os alvos", divulgou o MPE.

Para conseguir fazer as diligências, todos os promotores de Justiça e policiais do Gaeco ficaram empenhados. Ainda foi preciso apoio operacional de promotores de Campo Grande e do Interior, servidores do Gaeco e da área de Tecnologia da Informação e Inteligência do Ministério Público Estadual.

Força-tarefa será montada agora para analisar os documentos apreendidos, bem como realizar as oitivas de todos os presos.

PRESOS TEMPORARIAMENTE

1) Ary Rigo - ex-deputado e com ligação na empresa DigithoBrasil;

2) Jonas Schimidt das Neves, sócio da empresa DigithoBrasil, e seu secretário Claudinei Mastins Rômulo.

PRESOS PREVENTIMANTE

1) José do Patrocínio Filho, Fernando Roger Daga e Anderson da Silva Campos, sócios e ex-sócio da empresa Pirâmide Informática;

2) Luiz Alberto de Oliveira Azevedo, servidor público estadual lotado na Secretaria de Governo do Estado de Mato Grosso do Sul;

3) Gerson Claro Dino, Donizete Aparecido da Silva, Erico Mendonça, Celso Braz de Oliveira Santos e Gerson Tomi, todos integrantes do Detran de Mato Grosso do Sul, ocupando os cargos de Diretor-Presidente, Diretor-Adjunto, Chefe de Departamento, Diretor de Administração e Finanças e Diretor de Tecnologia, respectivamente.

ALVOS DAS BUSCAS

1) os gabinetes dos diretores do Detran;

2) a residência e o gabinete de trabalho de Luiz Alberto de Azevedo, lotado na Secretaria de Governo de Mato Grosso do Sul;

3) a residência e o gabinete de Parajara Moraes Alves Júnior, lotado no Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul, 

4) as empresas DigithoBrasil, A3A (nome fantasia Digitec) e M3M (nome fantasia Digitho), todas localizadas no mesmo endereço em Campo Grande;

5) a residência de Suely Aparecida Carrilhões de Almoas Ferreira, sócia da DIGITHO;

6) a residência de Claudinei Martins Rômulo;

7) a residência, propriedade rural e escritório de Jonas Schimidt das Neves;

8) a residência e no escritório de Ary Rigo;

9) a empresa M2 Comunicações LTDA. (nome fantasia PRODUTORA CASABRASIL);

10) PIRÂMIDE CENTRAL INFORMÁTICA e PIRÂMIDE DE CONTABILIDADE;

12) a residência de José do Patrocínio Filho,

13) a residência de Anderson da Silva Campos;

14) a residência de Fernando Roger Daga;

15) a residência e a empresa North Consult, ambas de propriedade de José Sérgio de Paiva Júnior;

16) a residência de Gerson Claro Dino;

17) a residência de Celso Braz de Oliveira Santos;

18) a residência de Gerson Tomi;

20) na empresa Master Case Digital Business LTDA.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Homem é assassinado com três tiros na cabeça em Campo Grande
MARQUÊS DE LAVRADIO

Homem é assassinado com três tiros na cabeça na Capital

Paranaense é preso com 1,3 tonelada de maconha em caminhonete
TRÁFICO DE DROGAS

Paranaense é preso com 1,3 tonelada de maconha

Tempo abre e eclipse da Lua é visto a olho nu em Campo Grande
FENÔMENO

Tempo abre e eclipse da Lua é visto a olho nu na Capital

SENTENÇA

Bernal é absolvido de uma das denúncias, mas continua inelegível

Publicação pode ser conferida no Diário Oficial da Justiça

Mais Lidas