Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

OPORTUNIDADE

Instituto federal oferece 560 vagas para cursos técnicos a distância

Cursos são para Administração, Edificações e Manutenção e Suporte em Informática
23/04/2019 13:59 - BRUNA AQUINO


 

O Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) abriu processo seletivo ontem (22), para cursos técnicos a distância em Administração, Edificações e Manutenção e Suporte em Informática para Campo Grande, Camapuã, Corumbá, Itaporã, Jardim, Naviraí, Nova Andradina, Pedro Gomes e Ponta Porã. Ao todo são oferecidas 560 vagas nos 10 municípios (confira na tabela abaixo).

Conforme o IFMS, para concorrer a uma vaga, o único requisito é o candidato ter concluído o ensino médio. Cerca de 280 vagas, serão ofertadas para candidatos que que cursaram todo o ensino médio na rede pública de ensino. Desse total, há cotas aos que comprovarem renda familiar per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio, aos que se autodeclararem pretos, pardos ou indígenas, e a pessoas com deficiência.

As inscrições são gratuitas e poderão ser feitas entre os dias 29 de abril e 21 de maio, pela Página do Candidato. No ato da inscrição, o candidato deverá informar o número do CPF e o nome.

SELEÇÃO

Será feita por meio de sorteio eletrônico, sob a responsabilidade do Centro de Referência em Tecnologias Educacionais e Educação a Distância (Cread).

O resultado final e a primeira chamada serão divulgados no dia 14 de junho. O início das aulas está previsto para este semestre. O cronograma completo da seleção está disponível no anexo I do edital.

CURSOS

São gratuitos e têm duração de um ano e meio (Manutenção e Suporte em Informática) e dois anos (Administração e Edificações).

As atividades são orientadas por tutores em ambiente virtual de ensino e aprendizagem. Além disso, as turmas também participam de encontros presenciais semanais.

Confira a tabela de vagas ofertadas conforme cada município: 

 

Felpuda


Em uma das eleições em MS, candidato já oficializado na convenção corria o trecho para conquistar os eleitores. Mal sabia, porém, que time do seu partido e de aliados estava tramando sua derrubada para emplacar substituto que teria mais votos. Por muito pouco, o dito-cujo não foi guilhotinado, conseguindo salvar o pescoço. Agora tudo indica que o mesmo processo estaria em andamento e seria mais fácil, pois a “vítima” desta vez ainda é só pré-candidato. Dizem que a “turma da trairagem” tem know-now no assunto.