Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

IMPASSE BANDEIRANTES

Instabilidade na gestão federal deve atrasar obra, diz prefeito

Marcos Trad explica que não foi atendido em Brasília por ministro

24 ABR 19 - 13h:50ALINE OLIVEIRA E DANIELLA ARRUDA

O prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD), declarou  nesta quarta-feira (24) que não conseguiu conversar com o ministro do Desenvolvimento Regional, durante a viagem  realizada em Brasília. Ele destaca que a prioridade do governo é a votação para reforma da previdência. 

"O ministro não nos recebeu porque tinha outra agenda em prioridade, a reforma da previdência. A informação que nos foi repassada é de que diálogos em outras pastas ministeriais só terão continuidade após essa definição", relata.

O agendamento de uma reunião com o ministro,  na terça-feira (23) tinha entre outros temas,  de rever algumas reivindicações dos comerciantes localizados na Avenida Bandeirantes que será recapeada e receberá a construção de um corredor de ônibus. 

Trad argumentou que o impasse entre o presidente Bolsonaro e seu vice, Mourão também é outro ponto que emperra o avanço das tratativas, visto que teve reflexo em todos municípios que recebem recursos federais para realização de obras. "Parou tudo, inclusive a Bandeirantes. Olha o reflexo que isso tem para todas as instâncias, inclusive municipais. Porque pedir para retirar a construção do corredor de ônibus, podemos fazer isso. Agora sermos atendidos é outra questão", observa. 

REIVINDICAÇÕES

Durante visita ao local no último dia 16 de abril, Trad foi questionado por lojistas contrários a revitalização da via, porque suprimirá pelo menos 70% das vagas existentes. As obras compõem o projeto do Corredor Sudoeste que abrange ainda, as Ruas Guia Lopes e Brilhante. O investimento no novo techo é de  R$ 8.121.306,90 do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) - Mobilidade com contrapartida do administração municipal.

Na ocasião, o prefeito foi confrontado por dois comerciantes com críticas ao projeto. Um deles chegou a dizer que a via não precisa de corredor de ônibus e que o projeto deveria ser executado na Avenida Ernesto Geisel. Conforme a Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) circulam na Bandeirantes, 32 mil usuários do transporte coletivo diariamente, além da grande frota de veículos que trafega na via.

"Vou cumprir minha obrigação como gestor público e levarei a reinvidicação dos comericantes, porém, eu antecipei que será difícil um retorno positivo, pois o que estão pedindo (retirada do corredor de ônibus do projeto original) deveria ter sido discutido em 2013", conclui o chefe do Executivo Municipal. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Bueiro a céu aberto deixa morador indignado “parece novela"
PATRULHA DA CIDADE

Bueiro aberto deixa morador indignado “parece novela"

Mesmo sem simulador, <br>custo da CNH não deve cair
TRÂNSITO

Mesmo sem simulador,
custo da CNH não deve cair

Polícia Federal deve investigar <br>origem de arsenal
GRUPO DE EXTERMÍNIO

Polícia Federal deve investigar
origem de arsenal

Bolsonaro exonera Marcos Derzi da Sudeco
POLÍTICA

Bolsonaro exonera Marcos Derzi da Sudeco

Mais Lidas