Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MAIS LETAL

Trânsito da Capital é o mais violento em quatro anos

Entre 1° de janeiro e ontem (19) foram 13 mortes, a diarista Lucimar Monteiro bateu sua moto e foi atropelada
20/02/2020 09:00 - Camila Andrade Zanin


 
Trânsito da Capital é o mais violento em quatro anos - CAMILA ANDRADE
 

O número de acidentes de trânsito com mortes em Campo Grande este ano - até ontem (19) - é o maior dos últimos quatro anos. É o que indica levantamento do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar (BPTran). Desde o início do ano 13 pessoas morreram no trânsito da Capital. A quantidade só é inferior ao mesmo período de 2016, quando 14 pessoas perderam a vida em acidentes nas vias públicas da cidade.  

Para o chefe da Escola Pública de Trânsito, Marcos Alexandre, a maioria dos casos acontece por imprudência, negligência ou imperícia do próprio motorista. “São falhas humanas e nesse contexto podemos incluir a falta de atenção, que é um grande causador de acidentes, tanto em rodovias quando no perímetro urbano”.

No ano passado, entre o dia 1° de janeiro e 19 de fevereiro, onze pessoas morreram no trânsito da Capital, número que se repetiu em 2017 e em 2018. Se o trânsito está mais letal neste ano, o volume de acidentes está menor. Desde janeiro, o Batalhão de Trânsito verificou 601 ocorrências, enquanto no mesmo período de janeiro e fevereiro do ano passado, foram 1.024 acidentes.  

 
 

DIARISTA

Os dados revelados pela Polícia Militar já incluem o caso mais recente. Ontem (19),  a diarista Lucimar Souza Monteiro, 41 anos, morreu na Avenida Gury Marques, após colidir a moto que pilotava em um carro e depois em um caminhão. Ela acabou atropelada em frente a um radar perto da Faculdade Anhanguera, no Bairro Universitário. O motorista do carro envolvido fugiu.

Uma amiga de Lucimar - que muito abalada, preferiu não ser identificada - informou que ela fazia faxinas no período noturno em um condomínio de Campo Grande e voltava do trabalho para casa quando sofreu o acidente.

O trânsito estava intenso no momento da colisão, e o toque do retrovisor de um carro prata (provavelmente um gol, segundo uma testemunha) derrubou a motocicleta que ela conduzia e a arremessou para baixo do caminhão que transitava em baixa velocidade.  

No chão, Lucimar foi atropelada pela roda do caminhão. Um homem que seguia atrás dos veículos e testemunhou o acidente, acionou o resgate. Quando os bombeiros chegaram, a diarista ainda respirava. Antes do início do transporte para o hospital, porém, Lucimar não resistiu e morreu.  O caso será investigado pela 4ª Delegacia de Campo Grande.

Imprudência, vias danificadas e sinalização inadequada. A combinação desses fatores traça um cenário no qual motocicletas e ciclomotores protagonizam a maioria dos acidentes de trânsito no País. Em Mato Grosso do Sul, nos últimos 10 anos, os acidentes de moto mataram 3.198 pessoas e deixaram outras 47.518 inválidas. Os dados são do boletim especial Motocicletas e Ciclomotores Dez Anos, produzido pela Seguradora Líder e divulgado em agosto de 2019.

 

Felpuda


Dois pedidos de desculpas, de autorias diferentes, foram assuntos muito comentados nas redes sociais com críticas ácidas às suas declarações, até porque os envolvidos não só os usaram despropositadamente, como tiveram de voltar a eles para se redimirem. Um deles, inclusive, quase criou uma crise política da-que-las, o que obrigou seu pai, figurinha carimbada, a pular miúdo para colocar panos quentes sobre a questão. Essa gente!...