Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CONGESTIONAMENTO

Índios fazem dois bloqueios em <br>rodovias de Mato Grosso do Sul

Pela manhã, protesto foi na BR-262 e agora à tarde acontece na BR-267
15/08/2017 15:54 - RODOLFO CÉSAR


 

O trânsito no km 361 da BR-267 está parado por conta de um bloqueio feito por grupo indígena. O trecho fica no município de Rio Brilhante e começou por volta das 14h de hoje.

São cerca de 60 manifestantes que usaram diversos objetos para fechar a rodovia nos dois sentidos. O congestionamento chega a mais de 1,5 km em cada um dos sentidos.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) está no local para orientar motoristas e divulgou que a previsão de liberação da via é para as 17h.

Os índios não disseram aos policiais por qual motivo fecharam a rodovia e não foi identificado um líder entre eles. Além da PRF, Polícia Militar e uma equipe do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) também foram ao local para prestar atendimento e tentar liberar o trecho. Não houve confronto entre manifestantes e motoritas.

Pela manhã, índios da etnia Taunay fecharam outra rodovia. O trecho interditado foi na BR-262, entre Aquidauna e Miranda, perto do posto Pioneiro. Nesse local reuniram-se cerca de 100 manifestantes. Hoje também o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) estava na região, para comemorações dos 125 anos de Aquidauna. Não houve confirmação se os índios encontraram o governador.

À polícia, os índios disseram que decidiram fechar a rodovia para cobrar das autoridades a demarcação de terra e estruturação da aldeia. A liberação da pista só aconteceu por volta do 12h30, depois de se ter formado aproximadamente 5 quilômetros de congestionamento.

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!