DIZ ANEEL

Índice de consumidor por rede faz <br>MS de energia mais alta, diz Aneel

Número do Estado é baixo em relação aos demais
21/05/2019 18:30 - FÁBIO ORUÊ


 

Questionado em audiência pública, na Comissão de Serviços Infraestrutura do Senado, nesta terça-feira (21), o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone da Nóbrega, explicou que Mato Grosso do Sul tem uma alta tarifa por conta do baixo índice de consumidor por quilômetro de rede.

A explicação foi feita após o senador Nelson Trad Filho (PSD/MS) cobrar, pela terceira vez da Aneel, as motivações do reajuste abusivo de 12,48% na energia elétrica no Estado. "Quero entender por que o meu Estado paga a conta mais cara?", perguntou.

Segundo o diretor-geral da Aneel, não é possível reduzir a taxa neste momento por vários fatores. “Mato Grosso do Sul tem 10 consumidores por quilômetro de rede, um dos índices mais baixos do país, ante 30 a 40 consumidores nos outros estados. Isso faz com que menos pessoas custeiem os ativos de distribuição e logo a tarifa tende a ser maior. Ou seja, são poucos consumidores, e que consomem pouco, e isso eleva o valor da tarifa”, disse.

“Além disso, Mato Grosso do Sul não tem uma atividade industrial muito elevada. São apenas 38% consumidores de alta tensão, ou seja, indústrias, e o restante é consumo residencial”, completou.

Essa foi a terceira vez que o senador fez o questionamento à Aneel. Em sessão no plenário do Senado no dia 3 de abril e no dia 3 de maio, o parlamentar sul-mato-grossense exigiu explicações da agência.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".