Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 15 de dezembro de 2018

Fogo

Incêndio florestal já destruiu 41%
da vegetação de Parque Estadual

Chamas estão sendo direcionadas para áreas que impactam menos

18 OUT 2017Por YARIMA MECCHI10h:00

O incêndio florestal no Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema, localizado na região sul do Estado já atingiu 30 mil hectares, de uma área total estimada em 73,3 mil, o que representa cerca de 41%. De acordo com o Corpo de Bombeiros, as chamas estão sendo direcionadas pela equipe de solo para áreas que impactam menos a biodiversidade local.

Na tarde desta terça-feira (17) equipe do Corpo de Bombeiros de Campo Grande sobrevoou a área queimada e foi determinado que mais duas equipes sejam enviadas para o local. Ainda segundo a assessoria, mais dez militares saíram às 5h com destino ao parque.

Segundo o sargento Renato Bernardo, equipes da Polícia Militar Ambiental (PMA) e do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) também estão empenhadas no combate às chamas.

“Pedimos também um helicóptero para ajudar na locomoção das equipes. São três horas da sede até o incêndio, tem lugar que só chega de barco”, destacou.

Conforme informações dos Bombeiros, o fogo atinge a maior parte da vegetação rasteira da unidade de conservação e a prioridade é evitar que se propague para a mata atlântica.

O PARQUE

De acordo com o Governo do Estado, o Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema tem 73.345,15 hectares localizados na Bacia do Rio Paraná, abrangendo os municípios de Jateí, Naviraí e Taquarussu.

Criado em dezembro 1998, ele foi à primeira Unidade de Conservação do Estado assim constituída. Sua criação foi motivada pela medida compensatória da Usina Hidrelétrica Eng. Sérgio Motta.

Entre os objetivos da unidade estão conservar os fragmentos de florestas, os remanescente de várzea e ecossistemas associados dos rios Ivinhema e Paraná, manter mecanismos de regulação natural das bacias hidrográficas locais e promover a preservação da diversidade genética das espécies que habitam o Parque, principalmente aquelas ameaçadas de extinção.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também