Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

INFORME PUBLICITÁRIO

Incêndio em lanchonete mudou história da Dale, que há 22 anos fabrica de sorvetes na Capital

São 100 sabores de diversos formatos; a marca começou vendendo sorvete com pamonha e, hoje, tornou-se a número 1 na preferência dos campo-grandenses

11 JAN 19 - 08h:00INFORME PUBLICITÁRIO

Um incêndio que mudou toda uma história. Sócios que quase desistiram do negócio. A trajetória da Dale Sorvetes vai além da evolução do tamanho dos copos e do formato com que o sorvete já se apresentou à clientela e traz uma lição de persistência de quem não abre mão de oferecer um produto de qualidade.

Tudo começou em 1996, quando os irmãos Sandro e Ademir deixaram a cidade de Cascavel, no Paraná, para produzir sorvete em Campo Grande. O convite veio de uma irmã que já morava aqui e sabia que, com o calor da cidade, seria impossível o negócio não decolar.

“Nós fomos construindo a Dale a partir de algumas tentativas e erros de empreendimento”, diz o sócio-proprietário Sandro Luis Boeri. O caminho até chegar a uma indústria não foi planejado, mas teve interferência do destino, talento e, ainda, acaso. “As coisas podem estar predestinadas a acontecer, mas não estão presentes na cabeça. A gente vai trabalhando e, quando vê, chegou onde chegou”, acredita.

No Paraná, os irmãos trabalhavam em áreas distintas, mas tinham influência de um vizinho e também da própria mãe, que, no passado, fabricava sorvetes. Eles compraram os primeiros equipamentos e chegaram a Campo Grande sem muito planejamento de onde fabricariam e para quem venderiam. O começo foi com uma máquina e dois freezers que foram instalados num terreno ao lado da casa da irmã. A fabricação, mesmo, começou em janeiro do ano seguinte, 1997.

Fachada da sorveteria nos anos 90. (Foto: Arquivo)

O próximo passo foi encontrar um ponto para vender, uma lanchonete que virou sorveteria. “Era Zero Grau o nome, mas fomos aprendendo a trabalhar como lanchonete também, com refrigerante, salgado, até que chegou um momento em que os clientes começaram a pedir pamonha, porque lá era uma casa que vendia”, recorda Sandro. Os sócios, então, juntaram a sorveteria Zero Grau com a Casa da Pamonha e ofereciam o prato da melhor pamonheira de Campo Grande, dona Alice, que também vendia na antiga Feira Central.

O crescimento veio e eles conseguiram comprar outro ponto, ainda no centro da cidade, para ampliar o negócio e oferecer refeições, até que, em abril de 2003, o comércio pegou fogo e tudo que eles haviam construído virou cinzas.

“Perdi tudo. Sobrou um carro, uma máquina e uns freezers, um pouco de dinheiro e uma moto amarela com a qual a gente entregava sorvete. Do negócio em si, perdemos tudo e, a partir daí, ficamos um ano à deriva. Até mudar de país eu queria”, afirma o empresário.

Sandro e Ademir tentaram continuar com a fabricação, mas estavam desestimulados, até que surgiu um convite para uma feira de sorvetes em São Paulo. Contrariado, Sandro foi e viu que precisaria investir muito. A viagem valeu pelo que encontrou no caminho. Andando pela rua, chutou um copo de sorvete, pegou-o do chão e foi descobrir onde era vendido aquele formato.

“Eu achei interessante e pensei: ‘Como eu nunca tinha pensado nisso?’. Fui perguntando quanto era aquele copo, onde era vendido... À época, em 2004, era R$ 1,00”, conta. “Vi aqueles freezers lotados de sorvete e gente comprando. Era prático, gostoso, não derretia na mão, você podia levar para casa. Gostei da ideia e voltei para Campo Grande já sabendo o que fazer”.

O carro que havia resistido ao incêndio foi trocado por uma câmara fria e aí começaram as engenhocas para envazar copos. “Eu não tinha máquina para encher copo, inventei uma forma de envazar e também tive de fazer pasteurização artesanal. Fui meio engenheiro e, dentro das dificuldades e necessidades, fui inventando alternativas”, descreve o comerciante.

Do incêndio, sobrou a motocicleta que fazia entrega. 

A marca, que ainda não se chamava Dale, foi a primeira a comercializar sorvete em copo na Capital. No primeiro ano do novo formato, foram vendidos 20 mil copos. Três anos depois, eram 300 mil por mês. Os locais de venda se espalharam pelo centro da cidade, focados principalmente nas ruas Rui Barbosa e Maracaju, onde ficavam os pontos de ônibus. “Onde havia um ponto de ônibus, eu colocava um freezer. Era R$ 1,00 o copo, o mesmo preço da passagem, na época. Eu falo hoje que o responsável pelo sucesso da Dale são todos aqueles que pegavam ônibus”, agradece Sandro.

O formato era prático para o cliente, mas exigiu tecnologia para oferecer um produto saudável. “Sempre foi feito com leite, pasteurizado, com gordura zero trans. Eu tinha este pensamento de considerar o sorvete um produto saudável e o vendia assim”, prega o empresário.

Em 2008, surgiram pelo menos oito empresas tentando fazer o mesmo que eles, mas com uma qualidade inferior. O ano também foi de profissionalização do negócio, e o sorvete, que se chamava Tribom, passou a ser Dale Sorvetes. “Eu vi um dia este nome na frente de uma loja de esfirras em Cascavel. Me chamou atenção e eu não sabia o porquê, mas depois descobri: é o nome dos meus filhos, Daniel e Alexandre”, compartilha Sandro.

O significado do nome convenceu os donos de vez. “Vibração positiva” era tudo que a sorveteria queria passar. Na época, a novela “Caminho das Índias” estava no auge e o nome pegou, ainda que com umas letrinhas a mais. “Havia os 'dalits' na novela; então, em vez de falarem Dale Sorvetes, falavam Daletes. Mas, depois, caiu no esquecimento e nós passamos por várias transformações”, contextualiza o comerciante.

O foco deixou de ser os copos para ser a indústria de sorvetes do Estado de Mato Grosso do Sul. Os proprietários inovaram não só nos sabores, mas nos formatos. Vendiam picolés recheados, sorvetes mesclados com calda, paletas mexicanas, cones e até açaí. “Eu fui até o Norte do País, conheci indústrias, escolhi uma boa empresa como fornecedor de um produto de qualidade e entendi toda a história do açaí”, explica Sandro.

A busca por qualidade nunca deixou de ser o desafio que move a Dale Sorvetes, que até montou uma leiteria para produzir a própria matéria-prima dentro de um rigoroso controle de qualidade. “A qualidade e a implementação de novos produtos mostram um pouco das diferenças que temos em relação a outras empresas, e isso vem também com o reconhecimento do nosso cliente”, assegura Sandro.

O telefone de contato da Dale é o: 4042-1017. Acompanhe a Dale Sorvetes pelas redes sociais, no Instagram, no Facebook, e também nos pontos de venda em todo o Estado.

A busca por qualidade nunca deixou de ser o desafio que move a Dale Sorvetes. (Foto: Bruno Henrique)
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Governador acredita que decreto será “norteador” na defesa de rios
PRATA E FORMOSO

Azambuja acredita que decreto ajudará na defesa de rios

Lojas do Grupo Bigolin voltam a funcionar nesta sexta-feira
RETORNO

Lojas do Grupo Bigolin voltam a funcionar nesta sexta-feira

Vereadores reprovam aditivo <br>à obra do Reviva Centro
"MUITO CARO"

Vereadores reprovam aditivo
à obra do Reviva Centro

Raio mata 21 cabeças de gado no pasto em Aparecida do Taboado
DESCARGA ELÉTRICA

Raio mata 21 cabeças de gado em Aparecida do Taboado

Mais Lidas