Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DOURADOS

Incêndio destrói 14 toneladas de cana em fazenda de usina

Chamas se alastraram rapidamente devido ao tempo seco e ventos
10/08/2019 16:02 - GLAUCEA VACCARI


 

Incêndio de grandes proporções atingiu duas fazendas e queimou 14 toneladas de cana, em Dourados. O combate ao fogo foi prejudicado por conta do vento forte e calor intenso, que fez com que as chamas se alastrassem rapidamente.

De acordo com o boletim de ocorrência, o incêndio começou por volta das 11h, às margens da BR-463, na saída para Ponta Porã, e se alastrou para as fazendas Caçula e São Marcos, sendo uma delas arrendada pela usina São Fernando, enquanto a outra é fornecedora de cana para a usina.

Na Fazenda Caçula foram queimadas quatro toneladas de cana em produção e 800 hectares de soqueira de cana, que são as raízes que sobram dentro e fora da terra após o corte, em uma altura de 30 centímetros, além de queimar 20 metros de mangueira de irrigação.

Já na Fazenda São Marcos, arrendada pela usina, incêndio destruiu 10 toneladas de cana e aproximadamente 500 hectares de soqueira de cana.

Corpo de Bombeiros foi acionado para o combate das chamas, assim como a Defesa Civil. Mais de quatro caminhões pipa foram enviados ao local e o trabalho foi dificultado por conta de rajadas de vento de 30 km/h, que fizeram o fogo se alastrar.

Segundo o site 94 FM Dourados, boletim Guia Clima da Embrapa Agropecuária Oeste apontou que a umidade relativa do ar atingiu 18% e a temperatura máxima 34°C ontem, no município. O tempo seco aumenta os riscos de queimadas.

Felpuda


Tudo indica que o MDB não conseguiu convencer o PSDB de iniciar namoro com vistas a casamento nas eleições, e a ideia teria sido descartada. Os tucanos demonstraram que o problema deles não é o cargo: os emedebistas ofereceram a vaga de vice na disputa à Prefeitura de Campo Grande, a mesma cobiçada pelos tucanos, mas na chapa do PSD do atual prefeito. A questão, politicamente falando, seria, digamos, o oferecido “noivo”. Afe!