Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 13 de novembro de 2018

CAMPO GRANDE

Incêndio destrói depósito de entulho na Avenida Cônsul Assaf Trad

De acordo com moradores, o fogo teria começado em vegetação

10 SET 2017Por BÁRBARA CAVALCANTI E DANIELA ARRUDA14h:11

Incêndio consome depósito de entulho na Avenida Cônsul Assaf Trad, saída para Cuiabá, em Campo Grande desde o início de amanhã de hoje. É possível ver a fumaça de longe. De acordo com moradores, o fogo teria começado em uma vegetação e passou para o empreendimento.  

As chamas consumiam o interior do pátio da empresa Resilix, onde ficam os resíduos, quando a reportagem do Correio do Estado chegou ao local.  

A empresa recebe materiais recicláveis como alumínio, ferro, plásticos e madeira. Os donos do empreendimento preferiram não se manifestar sobre o caso.  

Os moradores dizem que o fogo começou, na quinta-feira (7), ainda em pequenas proporções na vegetação localizada atrás da empresa.  

Conforme o estoquista Carlos Alberto de Assis, os bombeiros tinham tentado combater o incêndio, mas que com o passar dos dias, saiu de controle até alcançar o depósito.  

"Tem idosos por aqui, minha rua tem uma senhora de 87 anos que tem bronquite, é muito prejudicial", comentou.  

BAIXA UMIDADE 

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) ainda mantém o alerta de baixa umidade relativa do ar para todo o Mato Grosso do Sul.  

Conforme o aviso, o grau de severidade é de perigo em potencial, com índice de umidade relativa do ar entre 30% e 20%, o que influencia nos incêndios e prejudica a saúde.  

QUEIMADAS 

Com calor e tempo seco, número de ocorrências de incêndio atendidas diariamente pelo Corpo de Bombeiros continua alto. Campo Grande já registrou aumento de 197% nos casos de fogo em vegetação entre 2016 e 2017. Dados do Corpo de Bombeiros apontam total de 1577 ocorrências este ano, entre 1° de janeiro e sexta-feira (8), enquanto no mesmo período de 2016 foram 531 casos.  

Em Mato Grosso do Sul, no mesmo período foram 3122 casos, enquanto em todo o ano passado 2537, ou seja, antes do fim do ano os registros já superam 23% do total em 2016. Os casos registrados em 2017 na Capital (1577) representam 48% do total do Estado (3122).

 
  • Gerson Oliveira/Correio do Estado
  • Gerson Oliveira/Correio do Estado
  • Gerson Oliveira/Correio do Estado
  • Gerson Oliveira/Correio do Estado
  • Gerson Oliveira/Correio do Estado
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também