Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANTANAL

Incêndio chega perto de rodovia e atrapalha trânsito na BR-262

Polícia Rodoviária Federal esteve na região para ajudar a controlar o fluxo de veículos
05/11/2019 12:05 - DAIANY ALBUQUERQUE


 

O incêndio que atinge o Pantanal há mais de 10 dias voltou a chegar próximo da rodovia BR-262 (trecho em Miranda) durante a noite de segunda-feira (4). Corpo de Bombeiros e Polícia Rodoviária Federal (PRF) atuam na região para conter as chamas e controlar o trânsito.

De acordo com os bombeiros, o fogo virou no sentido da rodovia na noite de ontem, por volta das 19h. Equipes PRF sinalizaram a pista para controlar o fluxo, mas o trânsito não precisou ser interrompido porque as chamas não chegaram a alcançar a pista, apenas a fumaça dificultou a visibilidade. Conforme a PRF, o fogo se estendeu por uma faixa de 8 km ao longo da rodovia.
Duas equipes de combate à incêndio dos bombeiros, com a ajuda de um caminhão pipa, atuaram durante toda noite para evitar a propagação do fogo no local.

Nesta terça-feira (5) está programada a chegada dos 35 militares de Brasília (DF) que ajudarão a conter o incêndio na região. Sete bombeiros do Distrito Federal já atuam na região desde o fim de semana, quando foi enviado um avião Air Tractor, que tem capacidade para carregar mais de 3 mil litros de água, para ajudar na ocorrência.

Além desta aeronave de Brasília, outras duas do mesmo modelo foram disponibilizadas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Três helicópteros também ajudam na identificação dos focos – dois da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) e um da PRF.

No local estão 147 pessoas, entre bombeiros do Estado e dois do Distrito Federal, brigadistas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Exército, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal (PRF) e funcionários de fazendas da região.

O incêndio ocorre próximo a áreas de preservação conhecidas entre Corumbá e Miranda, como o Buraco das Piranhas, a região do Passo do Lontra e a Fundação Bradesco.

Os bombeiros do Distrito Federal já estiveram no Estado este ano para combater focos de incêndio na região. O fogo devastou cerca de 2,5 milhões de hectares do Pantanal. O grupo de Brasília atuou por 11 dias nas queimadas no local.

 

QUEIMADAS

Este ano Mato Grosso do Sul registrou um aumento considerável no número de focos de incêndio, o maior valor dos últimos cinco anos. Até o domingo (3) o Estado registrou 10.645 focos de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), sendo que mais da metade (5.698) estavam em Corumbá – a 417 km de Campo Grande. O valor chega a ser quase 500% maior que o registrado no ano passado, quando foram 2.134 focos de 1º de janeiro até o dia 3 de novembro.

No ranking do Inpe que lista os municípios com maior número de focos de incêndio nos primeiros três dias dos meses de julho, agosto, setembro, outubro e novembro, quatro cidades de Mato Grosso do Sul estão entre as cinco primeiras. Corumbá (1ª), Aquidauana (3ª), Miranda (4ª) e Porto Murtinho (5ª), que formam justamente o território do Pantanal no Estado.

Felpuda


Nos bastidores poderosos, comentários são de que dois pretensos pré-candidatos estão deixando em polvorosa quem tinha quase certeza de que tudo estava em total “céu de brigadeiro”. Assim, enquanto ambos se movimentam aqui e acolá, o lado de lá está pensando no que fazer para evitar futuro confronto. Vale ressaltar que a dupla tem experiência que só no campo de guerra das eleições – e o desempenho não ficou a desejar.