Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

OPERAÇÃO CONTAINER

Importadora de fachada vendia contrabando para o TRE

Empresa trazia muamba de segurança e informática do Paraguai

17 ABR 19 - 11h:12MARESSA MENDONÇA

A importadora localizada na Avenida Eduardo Elias Zahran, no bairro Vilas Boas, região central de Campo Grande, alvo da Operação Container na manhã desta quarta-feira (17), tinha contrato com o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul (TRE-MS). Segundo a Polícia Federal, a HB Engenharia e Segurança revendia por meio de licitações e contratos produtos de segurança e informática contrabandeados do Paraguai.

O proprietário, que não teve a identidade divulgada pela Polícia Federal, acabou preso em flagrante por tráfico internacional de armas e porte de drogas. 

Segundo a delegada Kelly Bernardo Trindade, da Delegacia de Repressão a Crimes Fazendários  (Delefaz) da PF, as investigações que resultaram na Operação Container começaram há dois anos, após denúncias anônimas.

Mais cedo, agentes e servidores da Receita Federal estiveram na empresa, especializada na instalação de câmeras de segurança, e apreenderam diversos documentos. 

Conforme apurado pelo Correio do Estado, policiais chegaram à sede da PF por volta das 8h20 carregando pastas com documentos e caixas de arquivos apreendidos. Informações são que alguns agentes e servidores da Receita ainda continuam apreendendo materiais na empresa. 

A delegada Kelly Bernardo Trindade: trabalho iniciado em 2017

 Nestes locais foram apreendidos vários equipamentos importados como câmeras de segurança e máquinas fotográficas. Os produtos entravam no País de forma ilegal, sem pagamento de impostos, caracterizando o crime de descaminho. 

Além dessas apreensões, os agentes encontraram uma porção de maconha e uma pistola calibre ponto 380 com o empresário.

Por esse motivo ele foi preso em flagrante e levado para a sede da PF, na região norte da Capital, onde responderá por tráfico internacional de arma, porque a pistola foi comprada no Paraguai, e posse de droga para uso pessoal. 

O contrato firmado entre esta empresa e o TRE para instalação de câmeras de segurança é de outubro de 2018 e, segundo a delegada, os representantes da Justiça Eleitoral não tinham conhecimento das irregularidades. O valor desta transação não foi informado. Todos os materiais apreendidos hoje foram levados para a Receita Federal, que definirpa a destinação futura deles. 

Em princípio, a delegada informou que o empresário agia sozinho. Mas as investigações em relação aos contratos continuam.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Ações voltadas à saúde indígena resultaram em 16,7 mil procedimentos
ALDEIAS

Ações voltadas à saúde indígena resultaram em 16,7 mil procedimentos

Fiéis começam a preparação <br>para Páscoa nesta quinta-feira
IGREJA CATÓLICA

Fiéis começam a preparação para Páscoa nesta quinta

Suspeito de matar professor a facada tem prisão preventiva decretada
AUDIÊNCIA DE CUSTÓDIA

Suspeito de matar professor tem preventiva decretada

Festival do Peixe completa 12ª edição neste fim de semana
FEIRA CENTRAL

Festival do Peixe completa 12ª edição neste fim de semana

Mais Lidas