Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

INTERDITADO

Imasul abre investigação após obstrução do Rio Miranda

Técnicos vão usar imagens de satélite e drones para determinar causas do fenômeno

13 JAN 20 - 14h:30ADRIEL MATTOS

O Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) abriu investigação para determinar a origem do material orgânico vegetal que obstruiu trechos do Rio Miranda no último fim de semana. Segundo o 15º Batalhão de Polícia Militar Ambiental (15º BPMA), o fenômeno é conhecido na região e ocorre em períodos de chuvas intensas.

Porém, o volume de sedimentos carregado pelas águas neste ano foi maior e acabou criando uma barreira para navegação na altura da Ponte do Calcário, área urbana da cidade de Miranda, no oeste do Estado. O material orgânico desce até parar em alguma curva do rio ou, no caso desse ano, na ponte, de onde está sendo retirado com auxílio de máquinas da prefeitura de Miranda.

A Secretaria de Estado Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico e Agricultura Familiar (Semagro) trabalha com duas hipóteses para o fenômeno. O material, composto basicamente por vegetação nativa das margens do rio, como taquaras e bambus, teria sido arrancado pela força das águas após as chuvas. Outra explicação pode estar nas queimadas ocorridas no fim da primavera e que atingiram o Pantanal. O material que resistiu ao fogo pode ter sido arrastado para o rio pela enxurrada. Técnicos do Imasul estão usando imagens de satélite e drones para auxiliar na investigação. 

Choveu 138,4 milímetros na região desde o início do mês até esta segunda-feira degundo dados do Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima (Cemtec). Em apenas um dia o volume de chuva chegou a 119,8 milímetros, segundo registro da estação meteorológica de Miranda. E o nível do rio subiu quase um metro e meio nesse mesmo período. No dia 31 de dezembro a régua marcava uma lâmina d’água de 3,86 metros e hoje, no mesmo ponto, o leito do rio está com 5,28 metros de volume de água.

Desde sexta-feira (10), o rio está interditado para navegação. A Defesa Civil emitiu um alerta para a região.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

De quase 50 mil candidatos, apenas uma tirou nota máxima na redação do Enem em MS
NOTA 1000

De quase 50 mil candidatos em MS, apenas uma tirou nota máxima na redação do Enem

Confira ruas que serão interditadas para eventos no fim de semana
TRÂNSITO

Confira ruas que serão interditadas para eventos no fim de semana

Com ritmo acelerado, obras no Guanandizão devem terminar em abril
CAMPO GRANDE

Com ritmo acelerado, obras no Guanandizão devem terminar em abril

Familiares denunciam condições insalubres de setor de tratamento de câncer
VEJA VÍDEO

Familiares denunciam condições insalubres de setor de tratamento de câncer

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião