Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MORTE A ESCLARECER

Idoso morre em posto de saúde com suspeita de dengue hemorrágica

Homem começou a ter sintomas há cerca de 60 dias, em Sidrolândia
10/06/2017 15:01 - GLAUCEA VACCARI


Homem de 73 anos morreu na noite de ontem na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Vila Almeida, em Campo Grande, com suspeita de dengue hemorrágica.

Segundo relato da filha da vítima à polícia, há cerca de 60 dias o homem foi picado no pé por um inseto e passou a se sentir mal, com desconforto, febre e inchaço, sendo internado no hospital de Sidrolândia, município onde morava.

Ele foi liberado da unidade de saúde com diagnóstico de que dores e inchaços teriam sido causados por ter batido a perna em algum lugar, e não por picada de inseto.

Depois do caso, idoso apresentou quadro de saúde instável, tendo retornado ao hospital, onde foi feita coleta de sangue para sorologia de dengue.

Mesmo sob suspeita de dengue, ele foi tratado com uso de dipirona o que piorou o quadro de saúde. Na terça-feira (6), vítima passou a apresentar manchas abdominais e, ontem, depois de nova piora no quadro, filha decidiu encaminhá-lo para a UPA Vila Almeida, na Capital.

Homem deu entrada na unidade às 13h com arritmia cardíaca e morreu às 19h, com diagnóstico dee dengue hemorrágica, segundo a filha. Ainda segundo a mulher, médica teria dito que ele sofreu hemorragia interna e infarto.

Caso foi registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) do bairro Piratininga como morte a esclarecer.

DENGUE

De acordo com o último boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde (SES), de janeiro até o dia 27 de maio foram notificados 3.353 casos suspeitos de dengue no Estado, sendo confirmada uma morte pela doença em Camapuã.  

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!