MANIFESTAÇÃO NACIONAL

HU reduz atendimentos em adesão <br>à greve geral contra a reforma

Áreas críticas tem 50% do efetivo trabalhando e demais áreas, 30%
14/06/2019 11:17 - GLAUCEA VACCARI E DANIELLA ARRUDA


 

Em adesão a greve nacional contra a Reforma da Previdência, o Hospital Universitário (HU) de Campo Grande está atendendo com apenas 50% dos servidores nas áreas consideradas críticas e 30% nas demais áreas, nesta sexta-feira (14).

Coordenadora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e Institutos Federais de Ensino de Mato Grosso do Sul (Sista/MS), Cléo Gomes, disse ao Correio do Estado que a paralisação de 50% é nas áreas de terapia intensiva, centro cirúrgico e pronto atendimento, enquanto nas áreas que não são consideradas de risco, o efetivo é de 30%, conforme prevê a legislação.

A decisão de aderir ao movimento nacional foi tomada em assembleia geral realizada na última terça-feira (11) e ofício foi encaminhado ao reitor da Universidade Federal do Estado (UFMS) e ao superintendente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares – Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian, informando sobre a adesão a greve geral.

Devido ao feriado de Santo Antônio, padroeiro de Campo Grande e comemorado nessa quinta-feira (13), a UFMS da Capital não tem aula nesta sexta na Capital, sendo o atendimento reduzido apenas no HU.

Ainda segundo Cléo, a Sista representa aproximadamente 3 mil servidores e parte deles estão reunidos no ato pela educação e contra a reforma da Previdência, realizado na Praça do Rádio Clube.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".