Campo Grande - MS, segunda, 20 de agosto de 2018

Aral Moreira

Lixo reciclado é utilizado para esconder 1,6 ton de maconha

20 OUT 2017Por ALINE OLIVEIRA15h:20

Na última quinta-feira (19), a equipe Urutú, do Departamento de Operações de Fronteira (DOF), flagrou um motorista nas margens da rodovia MS 386, com caminhão que transportava carga de lixo reciclável. Na abordagem foi verificado que o veículo estava com dois pneus furados e escondido em meio ao carregamento, tabletes de maconha, totalizando 1.655 quilos.

Questionado pelos militares, Mauricio Moura Vieira, 38 anos, acabou revelando que foi convidado por um conhecido a conduzir a carreta de Ponta Porã à Campo Grande, e na sequência ir até o municipio de Aral Moreira para carregar uma quantidade do entorpecente. O destino final ficou combinado na cidade de Canoas (RS), serviço pelo qual seria pago no valor de R$ 5 mil.

O celular do motorista foi analisado e verificada troca de mensagens com mais dois indivíduos, Rodrigo Roque Duarte, 47 anos e Silvio de Lima, 45 anos que conduziam um veículo GM/Astra e ofereceriam suporte até o destino final para entrega da carga. O quarto participante da empreitada foi identificado como Cássio Traesel, 32 anos.

A equipe conduziu os quatro envolvidos para a sede da Delegacia de Repressão aos Crimes de Fronteira (Defron), em Dourados, e, após fiscalização detalhada constatou que o caminhão que conduzia a maconha tinha documento falsa e possuia registro de roubo em julho deste ano, no municipio de Gravatai (RS). Outra irregularidade encontrada foi sobre a documentação de Rodrigue Roque Duarte, cujo nome verdadeiro é Roque Escobar.


 


 

Leia Também