TIROS NA MADRUGADA

Homem morre perto de danceteria <br>após ser alvejado no tórax e braço

Airton Fernandes tinha 22 anos e morreu em Aral Moreira
17/09/2017 08:45 - RODOLFO CÉSAR


 

Perto de uma danceteria, na madrugada de hoje, Airton Brites Fernandes, 22 anos, morreu depois de ser alvejado no tórax e braço. O suspeito de dar os tiros estava com uma pistola 9 mm e a perícia criminal encontrou seis cápsulas próximas ao corpo. O crime foi em Aral Moreira, na madrugada de hoje.

Populares chamaram socorro e ambulância do hospital local fez atendimento, mas não conseguiu salvar a vítima. Policiais militares fizeram o isolamento da área onde o corpo estava, na Rua Treze de Maio, perto da danceteria Zap.

A suspeita é que os disparos foram dados por volta da 1h de hoje. Logo em seguida, o autor dos tiros fugiu e não houve testemunhas do crime.

Os PMs chegaram a falar com algumas pessoas na região, mas ninguém soube dar detalhes e afirmaram que nada tinham visto. A perícia criminal identificou as lesões causadas por munição calibre 9 mm e fez levantamentos para tentar reunir provas sobre o caso.

A funerária  Interpax fez a remoção do corpo e o boletim de ocorrência foi registrado na 1ª Delegacia de Polícia de Ponta Porã pela delegada Sueili Araujo Lima Rocha. A Polícia Civil vai investigar para tentar localizar o suspeito do crime. Até a publicação desta matéria, ninguém tinha sido preso.

Não foi divulgado se Airton Fernandes tinham desafetos ou havia brigado na noite de ontem ou madrugada de hoje perto da danceteria.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".