RIO BRILHANTE

Homem é preso suspeito de matar vendedora para roubar eletrônicos

Suspeito foi preso em casa; ele morava no mesmo bairro da vítima
15/04/2019 12:42 - RENATA VOLPE


 

Nivalcir Lúcio Cândido (27) conhecido como “Coringa”, é o principal suspeito de matar a vendedora de espetinhos, Marcelina Robles Cardoso, de 55 anos, na madrugada de domingo (14), em Rio Brilhante, na Vila Fátima. Após o crime, ele roubou aparelho de som, DVD e um celular.

Marcelina morava sozinha e vendia espetinho e bebidas na frente da casa onde morava. Na noite de sábado (13), ela teria trabalhado até às 23h. Já na madrugada de domingo, vizinhos escutaram gritos na casa e chamaram os filhos da mulher, mas quando eles entraram na casa, encontraram Marcelina morta.

Horas após o assassinato, a Polícia Civil de Rio Brilhante prendeu Nivalcir em casa. Ele morava no mesmo bairro da vítima e confessou que matou a mulher para roubar um aparelho de som, DVD e um celular. Os eletrônicos foram recuperados, segundo o site Rio Brilhante em Tempo Real. O caso é de latrocínio, roubo seguido de morte. 

Marcelina completaria 56 anos no próximo dia 2 de abril. Ela foi encontrada morta em seu quarto, com diversas lesões provocadas por facadas, uma no queixo, uma na testa, uma abaixo do umbigo, duas na perna esquerda e duas na mão direita. Além disso, a casa da vítima estava bastante revirada, dando sinais de que o suspeito poderia ter roubado bens.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".