Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DESRESPEITO

Guarda flagra festas particulares durante toque de recolher

Neste sábado, 135 pessoas foram abordadas fora de suas residências
05/04/2020 11:27 - Súzan Benites


 

Durante a fiscalização da Guarda Civil Metropolitana, neste sábado (4), em cumprimento ao decreto 14.216 que estipula o toque de recolher das 22h às 5h, foram abordadas 135 pessoas orientadas a irem pra casa. Durante a ronda, as equipes ainda orientaram o fechamento de 20 estabelecimentos e ainda duas residências realizavam festas.

O isolamento social é a principal recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para evitar que o novo coronavírus (Covid-19) se espalhe com facilidade pela cidade, causando o colapso do sistema de saúde pública.

Na noite de ontem 37 guardas civis atuaram na operação, com 11 carros e nove motocicletas. As equipes de fiscalização atuaram nas sete regiões metropolitanas de Campo Grande.

De acordo com as informações da Guarda, nenhum proprietário apresentou resistência ou algum tipo de reclamação, 135 pessoas foram abordadas e orientadas a permanecerem do lado de dentro de suas residências.

Ainda durante a fiscalização noturna, um veículo foi removido ao pátio do Detran, porque era dirigido por condutor sem habilitação. E um veículo roubado foi recuperado. 

 
 

DECRETO

O toque de recolher começou a valer na cidade no dia 21 de março. Nos três primeiros dias do toque de recolher, a população obedeceu a determinação e a quantidade de pessoas fora de casa foi reduzindo até chegar a zero no dia 23 de março.

Contudo, no dia 26 aumentou para 155 até bater o recorde no dia 29 de março com 172 pessoas, a maioria sentada na calçada conversando. 

O secretário especial de Segurança e Defesa Social, Valério Azambuja, disse ao Correio do Estado que a maior parte dos flagrantes correspondem a pessoas que se reúnem na frente de suas casas com vizinhos ou amigos, bem como em lanchonetes e conveniências.

Felpuda


Outrora afinadíssimo com o presidente Jair Bolsonaro, parlamentar sul-mato-grossense começou a ser escanteado em consequência de uma das crises políticas de grande repercussão. A figura entrou em campo e botou falação sobre o que estava ocorrendo, e isso soou que só como crítica pesada ao governo, que, como não poderia deixar de ser, não gostou nadica de nada. Há quem diga que o dito-cujo é muito levado “pelo sangue”. Então, tá!...