SAÚDE

Gripe A atinge bebês que ficaram<br> fora do alvo de vacinação

Hospital Regional tinha três crianças internadas ontem
06/07/2017 07:00 - DA REDAÇÃO


 

Três crianças com idades entre 2 meses e 1 ano e 5 meses estão internadas com suspeita de Influenza A no Hospital Regional de Mato Grosso do Sul (HRMS), em Campo Grande.

O caso mais recente foi de Samyra Emanuelle Vasques de Oliveira, de 1 ano e 5 meses, que deu entrada na unidade em estado gravíssimo após passar mal no Centro de Educação Infantil (Ceinf) Cristo é Vida, na Vila Popular. 

Dois bebês - de 2 meses e de 4 meses - ficaram em isolamento no Pronto Atendimento Médico (PAM) na ala da pediatria, foram tratados e deixaram o setor crítico, porém o resultado do exame ainda não ficou pronto para confirmar ou não Influenza (A - vírus H1N1 e H3N2) e Influenza B.

Uma das crianças chegou a tomar cinco doses do remédio antiviral oseltamivir (nome comercial Tamiflu). Os bebês estão abaixo da idade mínima para receber a vacina que imuniza contra Influenza, que é de 6 meses. 

Já Samyra, internada ontem, estava com gripe há pelo menos três dias e de acordo com a mãe dela, Naiara Vasques Vargas, 23 anos, acabou medicada em casa, inclusive com antibiótico. 

A Secretaria de Estado de Saúde (SES), informou que cinco pessoas morreram vítimas de Influenza este ano em Mato Grosso do Sul, três em Campo Grande nos meses de abril (2) e maio (1), e as outras em Coxim e Rio Verde. No ano passado foram 103 mortes. A Sesau informou dados diferentes, com 212 notificações e 82 confirmações. 

*Leia reportagem, de Natalia Yahn, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".