SAÚDE

Greve e redução de médicos em unidades sobrecarregam Samu

Coordenador do serviço e Secretaria de Saúde confirmam que crise prejudica atendimento na Capital
10/08/2015 00:00 - DA REDAÇÃO


 

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) apresentou um aumento de 11 mil ocorrências nos últimos três meses em Campo Grande. Criado para prestar atendimento pré-hospitalar móvel, o serviço é acionado por meio do telefone de discagem rápida, o 192, e tem sido alvo de sobrecarga diante do caos vivido na saúde desde o início do ano.

De acordo com o coordenador do Samu na Capital, José Eduardo Cury, o número de ligações recebidas saltou de uma média de 32 mil, no começo do ano, para 43 mil (em média) nos meses de maio, junho e julho. Aumento de 34%. Ele atribui o problema ao deficit de médicos nas unidades de urgência e emergência da Capital, além do longo período de greve da categoria.

Cury afirma que a sobrecarga ocorreu justamente durante os meses em que houve paralisação dos profissionais da saúde no município. “Em função dessas greves muitos profissionais acabaram se desligando da rede municipal  de saúde e as unidades de urgência e atenção básica ficaram sem ter como fechar seus quadros de plantões”, explica.

* A reportagem de Tainá Jara está na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".