Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 14 de novembro de 2018

Saúde

Greve e redução de médicos em unidades sobrecarregam Samu

Coordenador do serviço e Secretaria de Saúde confirmam que crise prejudica atendimento na Capital

10 AGO 2015Por DA REDAÇÃO00h:00

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) apresentou um aumento de 11 mil ocorrências nos últimos três meses em Campo Grande. Criado para prestar atendimento pré-hospitalar móvel, o serviço é acionado por meio do telefone de discagem rápida, o 192, e tem sido alvo de sobrecarga diante do caos vivido na saúde desde o início do ano.

De acordo com o coordenador do Samu na Capital, José Eduardo Cury, o número de ligações recebidas saltou de uma média de 32 mil, no começo do ano, para 43 mil (em média) nos meses de maio, junho e julho. Aumento de 34%. Ele atribui o problema ao deficit de médicos nas unidades de urgência e emergência da Capital, além do longo período de greve da categoria.

Cury afirma que a sobrecarga ocorreu justamente durante os meses em que houve paralisação dos profissionais da saúde no município. “Em função dessas greves muitos profissionais acabaram se desligando da rede municipal  de saúde e as unidades de urgência e atenção básica ficaram sem ter como fechar seus quadros de plantões”, explica.

* A reportagem de Tainá Jara está na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também