Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

MENOS GASTOS

Governo quer que servidores voltem a cumprir jornada de 8h

Proposta será apresentada amanhã

10 MAR 19 - 13h:45LUANA RODRIGUES

O governo do Estado irá iniciar nesta segunda-feira (11) uma série de reuniões com sindicatos para apresentar a proposta de restituição da jornada normal de trabalho e o Plano de Demissão Voluntária (PDV).

Na prática, os servidores vão voltar a cumprir a jornada de 40 horas semanais (8 horas diárias), para a qual fizeram concurso. A medida atingirá 32,5% dos servidores ativos, que, em 2004, tiveram o horário de trabalho diário reduzido para 6 horas.

Com a retomada da jornada normal de trabalho, a expectativa do Governo é de melhora na prestação de serviço à população. Isso porque o acréscimo de horas de trabalho vai equivaler à contratação de 4 mil funcionários, sem implicar em um aumento considerável nas despesas.

Pesquisa realizada em janeiro deste ano mostra que 93% da população é favorável ao expediente integral nos órgãos públicos. O Ibrape ouviu 893 pessoas nas quatro maiores cidades do Estado: Campo Grande, Dourados, Três Lagoas e Corumbá.

O Governo do Estado vai apresentar ainda aos servidores como será o projeto do PDV, uma opção para quem quiser deixar o serviço público. A proposta precisará ser aprovada pela Assembleia Legislativa.

A primeira reunião será às 9 horas, na Secretaria de Estado de Administração e Desburocratização (SAD), no Parque dos Poderes, em Campo Grande.

MENOS GASTOS

As medidas vão ao encontro das decisões tomadas pelo Governo do Estado já no primeiro mandato para superar a crise financeira que atinge o Brasil, mantendo a qualidade dos serviços públicos e os salários em dia. A restituição da jornada de 8 horas evitará gastos desnecessários com concursos e contratações.

Seis estados brasileiros decretaram situação de calamidade porque gastam mais do que arrecadam. Para não ficar nessa situação, o governador Reinaldo Azambuja também renegociou a Dívida Pública Estadual, instituiu um teto de gastos para os poderes, igualou a concessão dos incentivos fiscais, fez a reforma da Previdência estadual e realizou a maior reforma gerencial da história de Mato Grosso do Sul, reduzindo de 15 para nove o número de secretarias: a menor estrutura administrativa do País.

Além de tudo isso, transformou Mato Grosso do Sul no estado mais transparente do País nos gastos públicos, criou a Controladoria Geral e a Ouvidoria Geral do Estado, aprovou a Lei Anticorrupção e o Fundo Anticorrupção. (Com assessoria)

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Primeira Organização Social<br> do Estado será substituída
SAÚDE

Primeira Organização Social do Estado será substituída

Operação investiga fraude em licitação para desvio de dinheiro público
ÁGUA CLARA

Gaeco cumpre mandado em empresa suspeita de fraude

Homem cochila, bate em caminhão e mulher fica presa às ferragens
TRÂNSITO

Homem cochila ao volante
e bate em caminhão

Governo promete pagar 12 meses <br> de Cassems para quem aderir ao PDV
DEMISSÃO VOLUNTÁRIA

Governo promete Cassems para quem aderir PDV

Mais Lidas