Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

META 2019

Governo estuda plano de demissão voluntária para os servidores estaduais

A medida em análise seria parte do processo de reestruturação e adequação de despesas

4 JAN 19 - 04h:00LUANA RODRIGUES

Com a missão de administrar o limite de gastos com pessoal e melhorar receitas diante do cenário de retomada do crescimento econômico ainda indefinido no País, o governo de Mato Grosso do Sul estuda retomar o Programa Especial de Incentivo ao Desligamento Voluntário (PDV) dos servidores estaduais. 

Conforme o secretário de governo e gestão estratégica, Eduardo Riedel, um estudo para reimplantação do programa começou a ser feito no mês de dezembro de 2018, mas ainda não há conclusões sobre quais benefícios os servidores terão, caso se inscrevam, nem a expectativa de adesão ou de economia que o governo terá com o programa. “Ainda estamos no meio do estudo. Queremos terminar este levantamento e só depois emitir qualquer avaliação”, explicou o secretário.

Segundo Riedel, a motivação para o estudo é parte do processo de reestrutução e adequação de despesas, meta do governo em 2019. “É um processo de você ajustar todo o seu efetivo. Mas, além disso, [o programa] pode ser uma alternativa para aqueles que entenderem vantajoso. Nós estamos fazendo algumas mudanças e existem pessoas que podem não concordar, então, pode ser uma alternativa a elas”, disse.

Para o presidente do Fórum dos Servidores do Estado, Leonardo Barros de Lacerda, o assunto será recebido com cautela pela categoria. “Por mais que seja voluntário, quando se fala em demissão, redução de gasto com pessoal, já se cria um clima negativo. O que se imagina é carga de trabalho excessiva, condições de trabalho ruins para que o servidor peça a demissão, entre outras coisas. Não estou dizendo que isso vai acontecer, mas sempre gera uma desconfiança”, considera.

Para a presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos da Administração do Estado (Sindsad/MS), Lilian Fernandes, antes da retomada do programa, é preciso que haja diálogo com os servidores. “O que a gente enquanto entidade espera é que o governo nos chame para conversar e explicar o que seriam os critérios. Antes da gente ter algum tipo de opinião, a gente precisar entender, ter esse diálogo com o governo”, disse.

VANTAGENS
A lei que instituiu o PDV em Mato Grosso do Sul foi criada em 1997 e oferecia condições especiais, além de vantagens para os servidores que solicitassem aposentadoria de maneira voluntária.Conforme o texto assinado em 15 de maio de 1997, pelo então governador Wilson Barbosa Martins, o programa visava “a adequação dos gastos com pessoal, a melhoria da qualidade da prestação dos serviços públicos e o equilíbrio das contas públicas”.

Na época, o programa era aplicável aos servidores estáveis titulares de cargo de provimento efetivo, bem como aos não-estáveis integrantes do quadro criado pela Lei nº 661, de 10 de julho de 1986, aos não-concursados admitidos a partir de 6 de outubro de 1983, e aos contratados sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho; além dos ocupantes de cargo em comissão de Direção e Assistência da Polícia Civil - DAP, e do cargo em comissão de Agentes Fazendários, ex-integrantes do Quadro Suplementar.

O servidor ou empregado que aderisse ao programa receberia por ano de efetivo serviço público prestado ao Estado, a título de indenização: do 1º ao 12º, o valor equivalente a uma remuneração mensal;  do 13º ao 25º, a importância equivalente a 130% do valor da remuneração mensal; 26º em diante, a importância equivalente a 160% do valor da remuneração mensal.

A indenização era paga em uma única parcela, no prazo de até oito dias úteis a partir da publicação do deferimento do pedido de adesão ao PDV, no Diário Oficial do Estado. Os servidores eram isentos do imposto de renda na fonte e na declaração de rendimentos.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Após chuva, ônibus atola em rua não pavimentada no Cristo Redentor
ANO CHUVOSO

Após chuva, ônibus atola no Cristo Redentor

Adolescentes são apreendidos com uma tonelada de maconha em veículo
TRÁFICO DE DROGAS

Adolescentes são apreendidos com uma tonelada de maconha

MS pode ter recurso anual de R$ 200 milhões com mudança no Fundeb
EDUCAÇÃO BÁSICA

MS pode ter recurso de R$ 200 mi com mudança no Fundeb

Trad solicita ampliação do sinal de internet e telefonia móvel
MELHORIAS MS

Trad solicita ampliação do sinal de internet e telefonia móvel

Mais Lidas