Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 11 de dezembro de 2018

ENCONTRO COM SÉRGIO MORO

Governador quer discutir construção de presídios com Sérgio Moro em Brasília

Fundo Penitenciário é prioridade em discussão na próxima quarta

8 DEZ 2018Por RAFAEL RIBEIRO15h:45

Entre as pautas locais que o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) levará para discussão com a equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), una próxima quarta-feira (12), uma em específico, dependerá de debate com Sério Moro, ex-juiz e que assumirá o Superministério da Justiça: construção de presídios.

Azambuja quer que o Departamento Penitenciário Nacional, que controla o Fundo Penitenciário Nacional, faça uma força-tarefa para análise dos projetos de Mato Grosso do Sul para a questão.

“Temos dinheiro na conta, mas não podemos usar porque os projetos não estão sendo analisados porque a equipe técnica é pequena. Estamos propondo ao Sérgio Moro que fortaleça essa equipe. Estado tem dinheiro na conta desde final de 2016 e não consegue gastar, ampliando e construindo presídio. Então vamos fazer uma força-tarefa nesse sentido. Criar o Núcleo de Inteligência de Fronteira e mais duas ou três pautas que outros estados colocaram e me pediram para incluir no ofício”, disse o governador, na última sexta-feira (7).

Segundo Azambuja, a prioridade será mesmo dicussao de políticas de segurança pública, mas o debate, como um todo, será a nível nacional. Evidentemente com Mato Grosso do Sul no protagonismo pelas fronteiras com Paraguai e Bolívia.

“Vamos levar pautas nacionais. Pauta dos 27 estados no quesito da segurança pública. Estou com ofício pronto que envolve flexibilização, que envolve o Fundo Nacional da Segurança Pública, pagamento de diárias e chamamento de policiais da reserva. Aumentar efetivo serve pros 27 estados. Vigilância, policiamento de fronteira que serve para todos, pois o problema de armas e drogas, saem da Bolívia e Paraguai para o restante do País”, disse.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também