PARQUE DAS NAÇÕES INDÍGENAS

Acordo para desassorear lago deve ser assinado na próxima semana

Cronograma está sendo elaborado por técnicos da prefeitura e governo
16/04/2019 18:01 - LUANA RODRIGUES


 

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB)  afirmou hoje que deve assinar na próxima semana um acordo com a prefeitura, com objetivo de promover obras para desassorear o lago do Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande.

Conforme o governador, técnicos da prefeitura e governo estão reunidos desde a última segunda-feira (15), com o objetivo de definir um cronograma para as obras. “Estamos finalizando uma parceria entre governo do estado e prefeitura de Campo Grande, que não é só para desassorear o lago, tem as obras mitigatórias do dano que são acima do lago. Porque não é só aquele lago, nós temos dois lagos acima do Parque das Nações Indígenas, mas o problema não é ali dentro, o problema é fora, da onde vem o sedimento dos rios  e a prefeitura vai fazer uma parte, o governo do estado vai  ter outra. Provavelmente, eu e o prefeito Marquinhos [Trad] vamos assinar um acordo de cooperação na semana que vem”, disse.

Problema recorrente, o assoreamento do lago do Parque das Nações indígenas, um dos principais cartões-postais de Campo Grande, aumentou nos últimos meses. A situação motivou protestos, como um “abraço” simbólico” no mês passado e um show musical com artistas regionais, realizado no último domingo (14).

Enquanto nenhuma medida efetiva é tomada pelos órgão públicos, o lago desaparece aos poucos. A cor escura da água e o leito raso denunciam que a situação já beira o caos em termos de agressão ao meio ambiente e uma solução é urgente.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".