Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

OBRAS PARADAS

Futuro da BR-163 depende
de parecer técnico do TCU

Duplicação da rodovia está paralisada desde maio de 2017

14 JUN 19 - 09h:30CLODOALDO SILVA, DE BRASÍLIA

A retomada das obras de duplicação da BR-163 em Mato Grosso do Sul - paradas desde maio de 2017 – está nas mãos do Tribunal de Contas de União (TCU). É que o órgão vai dar um parecer técnico sobre o procedimento que pode ser adotado pelo Ministério da Infraestrutura para a retomada da construção da pista dupla nos 845 quilômetros da rodovia.

A concessionária CCR MSVia, que só duplicou 17,7% do BR nos cinco anos que administra a rodovia,  interrompeu  as obras após recorrer à Justiça pedindo revisão contratual alegando que houve quebra de cláusulas contratuais por parte do Governo federal. A concessionária alegou que houve “alterações econômicas imprevisíveis e supervenientes à assinatura do referido contrato de concessão, com pedido alternativo de rescisão”.

A  empresa afirmou que não conseguiu financiamento de 70% das obras junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), como foi a previsto em 2014, época da assinatura do contrato de concessão. Também a empresa alegou que houve aumento nos custos das obras.

Com as obras paradas a mais de um ano, o Governo do Estado e o Ministério da Infraestrutura solicitaram em fevereiro deste ano um parecer técnico do TCU sobre qual procedimento poderá ser adotada para retomada das obras, entretanto até o momento este documento não foi apresentado.

Para o governador Reinaldo Azambuja, que na última terça-feira (11) à noite esteve reunido com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes,  a retomada das obras depende do TCU. “Estão (referindo-se ao Ministério) aguardando posicionamento do TCU, se vai ser  revisão contratual, caducidade ou relicitação. Vai depender da manifestação do Tribunal de Contas”, ressaltou Azambuja, sem ter uma data para o tribunal apresentar o parecer.

As três alternativas citadas pelo governador são: criar um processo de caducidade por descumprimento de contrato; outra é aceitar a devolução da via  e realizar nova licitação, processo que pode deixar por mais de dois anos a rodovia sem qualquer investimento.

A terceira opção e considerada mais viável é fazer uma revisão contratual, impondo novos critérios e prazos para a duplicação da pista, bem como realização de obras de suporte aos usuários. Desta forma estaria garantida a duplicação integral da BR-163 e tarifas menores com  um novo processo de concessão.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Pesquisa mostra que 97% das mulheres já sofreram assédio em transporte

Em audiência sobre tragédia da Chape, Nelson Trad cobra ajuda à familiares
ACIDENTE AÉREO

Em audiência sobre tragédia da Chape, Nelson Trad cobra ajuda à familiares

Nove são presos por suspeita de envolvimento com furto de cocaína em delegacia
INVESTIGAÇÃO EM SIGILO

Nove são presos por envolvimento com furto de cocaína em delegacia

Acusada de negligência, prefeitura renova licença do Alphaville 3
DEZ ANOS

Acusada de omissão, prefeitura renova licença do Alphaville

Mais Lidas