20ª EDIÇÃO

Festival de Inverno de Bonito será realizado entre os dias 25 e 28 de julho

Edital para seleção de artistas será publicado em breve
12/04/2019 15:31 - GLAUCEA VACCARI


 

A 20ª edição do Festival de Inverno de Bonito será realizada dos dias 25 a 28 de julho deste ano, segundo anunciou hoje a presidente da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS), Mara Caseiro, durante audiência pública na Câmara Municipal de Bonito. 

Conforme Mara, editais para seleção de artistas regionais que irão se apresentar no evento, nas áreas de música, dança, teatro, circo, cinema e artes visuais devem ser publicados em breve. Processo está sendo avaliado pelo setor jurídico, mas deve sair em poucos dias para haver tempo hábil de participação dos interessados. 

Representantes da classe artistíca, trade turístico, prefeitura, Câmara de Vereadores, comerciantes e população em geral, fizeram reivindicações para esta edição do tradicional festival. Entre os principais pedidos, está a participação maior da comunidade local.

Diretor-geral da Fundação de Cultura, Max Freitas, garantiu que essa reivindicação é prioridade e que será utilizada mão de obra local, para regorfar a economia do Município e baratear custos do eventos, tendo em vista que, quando se usa trabalhadores da cidade, não são necessários gastos como transporte e hospedagem.

“Foi uma determinação do governador Reinaldo Azambuja que se promova o festival com a mesma qualidade que ele apresentou em suas últimas edições, envolvendo a comunidade local e promovendo o nome do município e de nosso Estado em âmbito nacional e internacional, disse a presidente da FCMS.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".