Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

vídeo

Fazenda com proporções gigantescas
de incêndio já foi alvo da PF

Fogo em plantação de eucalipto começou por volta do meio-dia

13 SET 17 - 17h:46RODOLFO CÉSAR

Imagens aéreas feitas a partir de um drone no meio da tarde de hoje dão a dimensão de um incêndio que dura mais cinco horas na região de Ribas do Rio Pardo. O fogo começou na fazenda Boi Preto, que neste ano foi alvo da Operação Greenfield, da Polícia Federal, que investiga os irmãos Joesley e Wesley Batista.

A plantação do eucalipto na propriedade pertence a um ex-sócio da fábrica Eldorado Celulose, o empresário Mário Celso Lopes. O fogo pode ter destruído até 300 hectares de área. A fazenda tem plantação de eucalipto e como a vegetação contribui para o incêndio, o vento ajudou as chamas alastrarem-se

Uma das formas de combate foi levar máquinas pá-carregadeiras da Prefeitura de Ribas do Rio Pardo para a área como forma de evitar que o fogo continue caminhando e atinja plantações e pastagens de outras fazendas. Além da Boi Preto, outra fazenda do grupo FSW, a Recreio, estava na iminência de ser atingida.

Ainda não há informações se há feridos por conta do incêndio. Mas devido a proporção, a cortina de fumaça ainda está na BR-262, o que causa transtorno para motoristas e aumenta risco de acidentes.

O fogo começou por volta do meio-dia e a previsão é que as chamas vão consumir todo o eucalipto que foi atingido. Ao menos até as 17h43 de hoje ainda havia fogo e fumaça.

BOI  PRETO

Em 8 de março, a Polícia Federal cumpriu dois mandados judiciais em Ribas do Rio Pardo, um deles foi na fazenda Boi Preto, que fica a 12 quilômetros do município. A plantação de eucalipto no local é do ex-sócio da Eldorado Celulose, Mário Celso Lopes, empresário de Andradina (SP).

O empresário chegou a ser preso naquela data e levado para a delegacia da PF em Três Lagoas. A investigação aconteceu no âmbito da Operação Greenfield, que apura fraude em fundos de pensão com envolvimento dos donos do Grupo J&F Investimentos, os irmãos Wesley e Joesley Batista. O grupo controlava a Eldorado Celulose, vendida recentemente, além do frigorífico JBS e outros empreendimentos.

De acordo com as investigações da Polícia Federal, Mário Celso é suspeito de fechar um contrato de R$ 190 milhões para mascarar o suborno a um empresário. O objetivo era impedir que esse empresário revelasse informações de interesse da investigação da polícia.

Na fazenda, havia o estudo de ser instalada uma fábrica de celulose, mas o projeto não foi adiante depois das investigações.

VEJA VÍDEO

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Polícia investiga se morte de bebê de 7 meses foi por maus-tratos
CASAL PRESO

Polícia investiga se bebê de 7 meses morreu por maus-tratos

BRASIL

SP: casal é preso por suspeita de manter mulher em cativeiro durante 20 anos

Médicos que faziam dupla jornada devem devolver R$ 300 mil
IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Médicos devem devolver
R$ 300 mil por dupla jornada

Após perseguição, homem é preso com 292 quilos de maconha
NOVA ANDRADINA

Após perseguição, homem é preso com 292 kg de maconha

Mais Lidas