SAÚDE PÚBLICA

Falta de medicamentos estaria atrasando cirurgias no HR

Pacientes dizem que esperas chegam há quatro meses; hospital nega
05/04/2019 18:44 - FÁBIO ORUÊ


 

Em meio à reclamações sobre a alimentação, o Hospital Regional de Mato Grosso do Sul, em Campo Grande, também estaria com problemas com medicações que estariam atrasando cirurgias cardíacas.

Conforme apurado pelo Correio do Estado, uma idosa espera cerca de quatro meses por uma cirurgia para colocar o marcapasso no coração, porém, não é possível realizar o procedimento porque o hospital está com falta de potássio. O mineral é necessário para manter os índices do paciente alto, durante a cirurgia.

Segundo uma corretora de imóveis, de 57 anos, que acompanha o marido há 15 dias na unidade, o companheiro, que precisa fazer uma ponte safena, não conseguia marcar uma data por conta da falta de um medicamento. Quando conseguiu marcar, para hoje (5), foi informada, nos últimos dias, por funcionários, que o procedimento teria que ser adiado.

O motivo seria porque um profissional estaria participando de um congresso fora da cidade e não estaria presente para operar o equipamento usado na cirurgia. O procedimento ainda não tem uma nova data.

O casal veio de Maracaju quando o marido, de 59 anos, sofreu um infarto. Eles chegaram na Capital sem uma vaga garantida, porque o homem está com veias entupidas em 75%, 80% e 90%.

De acordo com a assessoria da Secretaria de Estado de Saúde (SES), as cirurgias no hospital estão acontecendo normalmente. Sobre o profissional que estaria em congresso, a reportagem não teve um retorno até esta publicação.

PROBLEMA RECORRENTE

A unidade é uma das principais do Estado e foi alvo da Operação Reagente, deflagrada no dia 30 de novembro do ano passado, com o cumprimento de três mandados de prisão preventiva e 14 de busca e apreensão em Campo Grande, Ribeirão Preto (SP) e São Paulo. Os problemas com a falta de produtos já estavam em investigação há, pelo menos, quatro meses, no Conselho Estadual de Saúde (CES).

De acordo com o presidente do CES, Florêncio Escobar, a falta de medicamento é pauta recorrente das reuniões do colegiado. “A gente estava justamente na reunião do conselho, quando soubemos da operação. Na verdade, o problema é muito mais grave do que a gente imaginava. Agora, vamos discutir a melhor forma de acompanhar isso”.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".