Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Rota da Integração

Expedição vai averiguar trajeto do Corredor Bioceânico e estruturas dos portos

Corredor ligará portos do Oceano Pacífico aos portos do Atlântico

22 AGO 17 - 18h:47GLAUCEA VACCARI

Comitiva composta por empresários e autoridades deve percorrer 2.220 quilômetros a partir desta sexta-feira (25), na II Expedição da Rota de Integração Latino-Americana (Rila), com destino aos portos do Pacífico, no Chile. Objetivo é averiguar in loco o trajeto do Corredor Bioceânico e as estruturas dos portos para as exportações de grãos e celulose.

O Corredor Rodoviário Bioceânico compreende as cidades brasileiras de Campo Grande e Porto Murtinho, em Mato Grosso do Sul; Carmelo Peralta, Mariscal Estigarribia e Pozo Hondo, no Paraguai; Misión La Paz, Tartagal, Jujuy e Salta, na Argentina; e Mejillones, em Iquique, no Chile.

O Corredor ligará os portos do Oceano Pacífico aos portos do Atlântico e é uma rota alternativa para escoar a produção agropecuária e industrial do Estados, segundo o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário de Cargas e Logística de Mato Grosso do Sul (Setlog/MS), Cláudio Cavol, que está a frente da expedição.

Com a utilização da via, a comercialização internacional de grãos poderá atingir 135 milhões de toneladas e a saída pelo Oceano Pacífico reduzirá em cerca de 11 mil quilômetros de rota marítima o percurso feito atualmente pelo Oceano Atlântico rumo ao mercado asiático.

Segundo Cavol, esse ganho de tempo representa seis dias a menos de viagem, que atualmente leva em média 14 dias para cobrir os cerca de 19 mil quilômetros até a Ásia.

INVESTIMENTOS

Para discutir os investimentos necessários para viabilizar o corredor, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mocchi (PMDB), se reuniu hoje com o embaixador do Brasil no Paraguai, Carlos Alberto Simas Magalhães.

Para a ponte que liga os dois países são necessários investimentos federais. “Em Mato Grosso do Sul, a rota passará por Campo Grande e Porto Murtinho ao Porto em Carmelo Peralta, no Paraguai. Por isso, queremos o apoio dos parlamentares do Estado nesse projeto de integração que necessita de 50% no valor da obra, cerca de R$ 65 milhões para conclusão”, explicou Simas.

Em Brasília, nesta semana, o presidente Michel Temer (PMDB) e o presidente do Paraguai, Horacio Cartes, afirmaram a disposição em apoiar investimentos para o Corredor Rodoviário Bioceânico. Projeto de decreto legislativo que prevê acordo entre os governos dos dos países tramita na Câmara dos Deputados.

TRAJETO

A rota que passa por Porto Murtinho foi definida depois a I Expedição da Rila, em 2013, e de outras  três viagens de prospeção em que foram mapeadas as possíveis rotas, por ser a "mais barata e que atende às necessidades técnicas para atingir os portos do Chile", segundo Cavol. 

As tratativas internacionais junto ao Paraguai, Argentina e Chile que farão parte desse trajeto estão em andamento. Segundo o secretário de Infraestrutura de Mato Grosso do Sul, Marcelo Miglioli, as obras do lado paraguaio já foram licitadas.

“Dos 550 quilômetros no Paraguai, que representa hoje o maior problema, tivemos a informação que o primeiro lote de 278 quilômetros já foi licitado e os 100 quilômetros dentro da Argentina, já estão em fase de conclusão”, explica o secretário.

Já a ponte bi-nacional sobre o rio Paraguai, que ligará Porto Murtinho a Carmelo Peralta (PY) será construída com 50% de recursos brasileiros e 50% de recursos paraguaios e aguarda o aval do Congresso Nacional. A obra foi orçada em R$ 116 milhões.

A expedição será formada por 30 caminhonetes Amarok, que deixarão Campo Grande no dia 25 de agosto, com retorno previsto em 3 de setembro.

Para o prefeito de Murtinho, Derlei Delevatti (PSDB), essa viagem composta de empresários do setor de transporte rodoviário significa que a região de Murtinho e Carmelo Peralta é viável para escoar a produção do Centro-Oeste brasileiro, além de desenvolver todo o trecho por onde futuramente se escoará a produção.

“Sem dúvida nenhuma que nós que moramos nesta região seremos os mais beneficiados, atraindo investimentos privados para o lado brasileiro e paraguaio”, diz Delevatti.

Rota Bioceânica integra Brasil, Paraguai, Argentina e Chile (Foto: Divulgação)
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Em início de noite violenta, duas pessoas são assassinadas
DOURADOS

Em início de noite violenta, duas pessoas são assassinadas

Incêndio em terreno baldio localizado na área central assusta moradores
BATAYPORÃ

Incêndio em terreno baldio assusta moradores

Criminosos roubam R$ 230 mil de agência da Caixa na Capital
AERO RANCHO

Criminosos roubam R$ 230 mil de agência da Caixa na Capital

Festival do Sobá terá troca de convites do Rally dos Sertões
FEIRA CENTRAL

Festival do Sobá terá troca de convites do Rally dos Sertões

Mais Lidas