NAVIRAÍ

Ex-vereadores são investigados por irregularidade em verba para combustível

Promotoria abriu nove inquéritos para apurar recebimento indevido
02/09/2017 15:48 - JONES MÁRIO


 

A 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Naviraí instaurou nove inquéritos civis para apurar suposto recebimento indevido de verba indenizatória relativa à aquisição de combustível por parte de nove ex-vereadores da cidade, distante 359 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com os editais, publicados na edição desta segunda-feira (4) do Diário Oficial do Ministério Público Estadual (MPE), a investigação limita-se ao intervalo entre os meses de janeiro de 2013 e outubro de 2014. No período, os ex-parlamentares estariam “enriquecendo-se indevidamente em detrimento do erário da Câmara Municipal de Naviraí”, como discorrem os comunicados.

Os ex-vereadores investigados são Carlos Alberto Sanchez, Moacir Aparecido de Andrade, Vanderlei Chagas, José Roberto Alves, José Odair Gallo, Gean Carlos Volpato, Elias Alves, Solange Olímpia Pereira de Castro Melo e Adriano José Silvério. O promotor de Justiça à frente dos inquéritos é Daniel Pívaro Stadniky.

Em outubro de 2014, o MPE denunciou todos estes vereadores pela prática do crime de organização criminosa. Segundo narrado na denúncia, eles se associaram de forma estruturada e concatenada, a fim de obterem direta ou indiretamente vantagem ilícita, mediante a prática de infrações penais, valendo-se, para tanto, de suas condições de empresários ou funcionários públicos (vereadores e funcionários da Câmara Municipal de Naviraí).

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".