MEDICINA UEMS

Estudantes e professores protestam contra falta de estrutura e concurso público

Para suprir déficit seria necessário contratar 200 professores
23/05/2018 17:34 - ALINE OLIVEIRA


 

Estudantes do curso de medicina da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) protestam desde o início do ano contra a falta de professores especializados para algumas disciplinas oferecidas na grade do bacharelado e a falta de equipamentos, insuficientes para atender a demanda de 192 alunos matriculados, totalizando quatro turmas.

O curso foi inaugurado em 2015 e possui vários alunos de outros estados que são diretamente prejudicados com a precariedade de material humano e físico. O representante dos alunos é o acadêmico do segundo período de Medicina, Gabriel Piacentini, que explica a trajetória da reivindicação.

"Conforme o tempo vai passando os problemas se agravam, pois a partir do quarto ano as aulas só podem ser ministradas por professores com formação em Medicina e já temos turmas que chegaram nessa fase. Procuramos diálogo com a reitoria e o governo do Estado e nada foi solucionado. Até o momento a única resposta que tivemos é de que será aberto um edital para contratar 50 professores, dos quais 10 seriam alocados para nosso curso", explica o estudante, que também participa do Diretório Central Estudantil (DCE).

Gabriel comenta que a última paralisação começou no dia 21 abril e teve adesão dos professores que também sentem-se insatisfeitos com a falta de pessoal para atender a instituição que conta com unidades universitárias e polos de educação à distância em 25 municípios de Mato Grosso do Sul.

"Muitos estudantes moram em outros estados e são mantidos pelos familiares com alimentação, aluguel e transporte. O lado positivo foi que recebemos apoio dos docentes e estamos trabalhando conjuntamente, nos dividindo em comissões para solicitar as melhorias necessárias", acrescenta o estudante de medicina.

REPRESENTANTIVIDADE

O presidente da Associação dos Docentes da UEMS (Aduems), Esmael Almeida Machado, acredita que o quadro de professores é o setor mais fragilizado da universidade, pois disse acreditar que não basta o governo estadual investir na construção do prédio e não ter 'material humano' e equipamentos para colocar em funcionamento.

"A realidade da UEMS é de um déficit de 100 técnicos administrativos e 200 professores, pois não há concurso público e os professores são contratados em caráter temporário, o que provoca insegurança quanto a permanência e reflete também na aprovação e participação dos cursos em projetos de pesquisa nacional, que precisam de servidores efetivos", reforça o líder sindical. 

Machado explica que depois de várias mobilizações realizadas por acadêmicos e professores, a reitoria encaminhou uma nota oficial, na qual informou que em atendimento a solicitação dos coordenadores e gerentes de cursos,  professores, acadêmicos, o edital de concurso oferecido pelo governo estadual será divulgado no dia 25 de junho. 

"Somos cobrados a apresentar uma eficiência acadêmica, que não condiz com as ferramentas que recebemos para trabalhar. Este edital só aconteceu em razão da nossa perserverança e não vai atender todas as unidades. Sendo assim teremos muitas injustiças, pois, não será possível atender todos as localidades aonde funciona a instituição", acrescenta. 

SOBRE A UNIVERSIDADE

A UEMS está presente em Campo Grande desde 2000 e a construção e inauguração da sede própria na capital sul-mato-grossense em 2015 proporcionou ofertamento de 161 cursos e atendimento de 8.512 acadêmicos entre os anos de 1998 e 2015, segundo dados do portal oficial. 

NOTA RETORNO UEMS

Em nota oficial, a assessoria de comunicação da universidade informou que já foi iniciado um levantamento em todos os cursos de graduação para verificar a quantidade necessária de profissionais e assim, realizar novos concursos para contratação de docentes. 

Além disso, para suprir o déficit existente, de forma emergencial, a instituição divulgará no próximo dia 25 de junho, um edital com 50 vagas para professores de várias áreas de conhecimento. 

Sobre a graduação em Medicina, a reitoria da UEMS, junto ao colegiado do curso tomou uma série de medidas para suprir o déficit de professores, como a realização de consecutivos processos seletivos que visavam contratação temporária de professores, além de convênios com o Hospital Regional e secretárias de saúde municipais do interior do Estado e na Capital. 

O objetivo é formalizar a cedência de profissionais e a realização de um concurso para contratação de professores efetivos, que está com inscrições abertas, oferecendo 10 vagas.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".