Quarta, 21 de Fevereiro de 2018

Agraer e Banco do Brasil

Estratégias de crédito devem fortalecer agricultura familiar do Estado

Uma das discussões foi que nove cidades sul-mato-grossenses ainda não contam com uma agência bancária própria

12 AGO 2015Por Da redação08h:37

O governo de Mato Grosso do Sul, por meio da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), reiterou o compromisso em fortalecer a agricultura familiar do Estado junto ao Banco do Brasil. E para que os produtores rurais comecem o quanto antes a perceber as melhorias no setor, é que as duas entidades se reuniram, no final da tarde desta segunda-feira (10), para tratar sobre novas estratégias de gestão que tragam benefícios de acesso as linhas de crédito do Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf).

Na sede estadual da instituição financeira, o diretor-presidente da Agraer, Enelvo Felini e o diretor-executivo da Agência, José Alexandre Trannin foram recepcionados pelo superintendente do Banco do Brasil de MS, Evaldo Souza, o gerente regional de varejo, Fábio Alexandre Pereira e a gerente de Negócios de Desenvolvimento Sustentável, Giljane Dourado.

No encontro, um dos primeiros assuntos debatidos foi a questão das nove cidades sul-mato-grossenses que ainda não contam com uma agência bancária própria. Caracol, Corguinho, Coronel Sapucaia, Japorã, Jaraguari, Novo Horizonte do Sul, Paraíso das Águas, Rochedo  e Taquarussu são os municípios que compõem a lista.

A relação dos nomes foi repassada em mãos ao superintendente do Banco do Brasil. “Ter uma agência bancária em cada cidade permite uma comodidade maior para o trabalhador rural que tem interesse nos recursos disponibilizados pelo Plano Safra da Agricultura Familiar”, afirmou Felini.

O apoio na promoção da I Feira da Agricultura Familiar de Sidrolândia também foi outra questão abordada durante o tempo em que as autoridades estiveram reunidas. Todas as demandas repassadas serão avaliadas pelo Banco do Brasil, segundo a declaração de Evaldo Souza.  “Aquilo que estiver ao alcance da superintendência vamos resolver e o que for de competência de Brasília vamos encaminhar para que seja dado a melhor solução”, garantiu o superintendente.

Também foram temas de análises as cidades referência em boa gerência de recursos do Plano Safra. Cassilândia, por exemplo, conseguiu movimentar até julho um total de R$ 8,5 milhões em recursos através de projetos aprovados no Pronaf. Já Figueirão foi considerada a primeira do País no ranking de liberação de linhas de crédito, entre os municípios que possuem a agência do Banco do Brasil de nível 6. A média nacional em localidades com postos de atendimento desse porte fica abaixo de R$ 1 milhão.

Para o gerente regional de varejo, Fábio Alexandre Pereira, uma boa alternativa para aquecer o desenvolvimento da agricultura familiar nos 79 municípios é criar um Conselho Estadual do Pronaf. “Acredito que a implementação vá melhorar essa articulação no Estado com o envolvimento das principais entidades que trabalham com o Plano Safra: Incra, Conab, Agraer, MDA e o próprio banco, é claro”, disse.

Ao final do encontro, cada entidade se comprometeu em avaliar os apontamentos levantados para que medidas sejam acertadas em conjunto pelas duas entidades.

Leia Também