Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Estado pode chegar a 4 mil casos de Covid-19 em apenas dez dias

Puxado por Dourados, número de infectados em Mato Grosso do Sul deve alcançar 2 mil nesta sexta-feira
05/06/2020 08:00 - Daiany Albuquerque, Thiago Gomes


 

A permanecer a progressão geométrica dos últimos dias, Mato Grosso do Sul pode chegar a 4 mil casos do novo coronavírus em dez dias. A avaliação é do infectologista, ex-diretor do Ministério da Saúde e pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Júlio Croda. A tendência, a partir de agora, é de dobra dos números. Ontem, após ter registrado mais 123 casos de Covid-19, o Estado atingiu 1.925 infectados e deve romper a barreira de 2 mil testes positivos da doença nesta sexta-feira.  

Os últimos dias têm sido de números exponenciais de contaminações tanto em Campo Grande quanto no interior. Mato Grosso do Sul chegou ao patamar de mil casos há apenas dez dias. O primeiro episódio de Covid-19 foi registrado no dia 14 de março, na Capital. Para chegar a mil foram mais de dois meses. Mas os outros mil casos surgem em apenas dez dias, o que aponta para a aceleração da disseminação do vírus, ainda puxada por Dourados e alguns municípios da região.

Conforme o infectologista, que também é professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), se a curva mantiver esta aceleração, nos próximos 10 dias, o Estado pode chegar aos 4 mil casos confirmados. “Vamos chegar em 4 mil em tempo menor que chegamos aos 2 mil, porque entramos na fase exponencial da doença, e nesta fase é normal que os números dobrem a cada dia. Mostra que a gente está em fase de crescimento dos casos”, avaliou Croda.

Ainda de acordo com o especialista, neste período onde os números aumentam com grande velocidade, é preciso estar atento a todos os indicadores que compõem o sistema de saúde, como casos e internações. “As taxas de ocupação global dos leitos nas macrorregiões, e não só aqueles ocupados por pessoas com Covid-19, são importantes para a tomada de decisão”.

O pesquisador ressalta que esse aumento exponencial de casos já vem sendo demonstrado diariamente. “A gente tinha 20 casos por dia, depois passou para mais de 40, chegamos a 70 e agora já temos mais de 100 todos os dias, e a macrorregião de Dourados tem uma curva muito acelerada e é responsável por essa maior transmissão no Estado”, declarou.

Dourados registrou apenas nas 24 horas passadas mais 41 casos confirmados e chegou ao total de 419 episódios – a cidade com o maior número de confirmações do novo coronavírus no Estado. “Em relação à visão científica, a cidade é, sim, o epicentro da doença no Estado por conta da incidência, que só aumenta. Campo Grande, Corumbá e Três Lagoas estão estáveis; a Capital, inclusive, reduziu nas últimas semanas. Mas se Dourados continuar assim, em 30 dias não vai mais haver leitos de UTI [unidade de terapia intensiva]”, prevê o infectologista.

A cidade tem 33 leitos de UTI e 121 clínicos divididos em seis hospitais e, segundo o médico Ricardo do Carmo, integrante do Comitê de Gerenciamento de Crise do município, há a previsão de serem ampliados mais 35 leitos de intensiva (10 no Hospital da Vida, 5 no Hospital Universitário da UFGD e 20 na Unidade da Mulher e da Criança do HU).

Entretanto, esses leitos também devem atender moradores de outros 16 municípios integrantes da microrregião de atendimento para leitos de Covid-19 – Amambai, Caarapó, Deodápolis, Douradina, Eldorado, Fátima do Sul, Iguatemi, Itaporã, Itaquiraí, Japorã, Juti, Laguna Carapã, Mundo Novo, Naviraí, Rio Brilhante e Vicentina.

Dessas cidades, seis estão entre os municípios com a maior incidência de casos por 100 mil habitantes de Mato Grosso do Sul. São eles: Douradina na segunda posição, com 1.131; Fátima do Sul na terceira, com 719,2; Vicentina em quarto lugar, que tem 639,1; Itaporã logo depois, com 253,6; Rio Brilhante na em sétimo, que registra 205,3; e Dourados no oitavo lugar, com 187,9.

“Se continuar essa taxa de infecção, não vai dar tempo de transferir esse paciente para um leito em outra cidade, porque lá já não vai ter mais leito, então essas pessoas vão morrer antes de chegar aqui [Campo Grande]”, projeta Croda, já que em casos de insuficiência de leitos nessa região um possível destino desses pacientes seriam a Capital, onde há maior oferta de vagas em UTI.

ÚLTIMOS NÚMEROS

Com mais 123 exames positivos para Covid-19 em 24 horas, o número de casos confirmados no Estado chegou a 1.925. Destes, 985 estão em isolamento domiciliar e 872 estão sem sintomas e já estão recuperados. Já 49 estão internados, sendo 25 em hospitais públicos e 24 em hospitais privados. Um paciente internado é de fora do Estado. Foram registrados até agora 20 óbitos. Desde o dia 25 de janeiro, foram anotadas 14.315 notificações de casos suspeitos do coronavírus em MS. Destes, 10.683 foram descartados após os exames darem negativo e 21 foram excluídos por não se encaixarem na definição de caso suspeito do Ministério da Saúde. 

 

Felpuda


Considerados “traíras” por terem abandonado o barco diante dos indícios da chegada da borrasca à antiga liderança, alguns pré-candidatos terão de se esforçar para escapar da, digamos assim, vingança, velha conhecida da dita figurinha. Dizem por aí que há promessas nesse sentido, para que os resultados dos “vira-casacas” nas urnas sejam pífios. Sabe aquela velha máxima: “Pisa. Mas, quando eu levantar, corre!” Pois é...