Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

CONTRADITÓRIO

Endividada, Santa Casa aumenta gasto com pessoal

Câmara apura incoerência no uso de verbas pelo hospital

18 NOV 19 - 09h:00DAIANY ALBUQUERQUE

Relatório elaborado pela Comissão Temporária Especial criada pela Câmara Municipal de Campo Grande aponta que, entre outubro de 2017 até junho deste ano, houve aumento de R$ 2 milhões na folha de pagamento dos funcionários. O custo mensal passoude R$ 13 milhões para R$ 15 milhões, isso enquanto o hospital afirmava enxugar os cargos para economizar.

Essa incongruência, entre outros pontos, está no documento entregue pela comissão ao vereador e presidente da Casa, João Rocha (PSDB), que enviará o relatório para o prefeito Marcos Trad (PSD). O pedido da Câmara é para que o Executivo ouça o hospital e tome as providências necessárias.

“Verificamos, com base em relatórios da CGU [Controladoria-Geral da União], da Santa Casa e da Sesau [Secretaria Municipal de Saúde], que há má gestão nos processos da Santa Casa, que não deixa claro o que está sendo feito”, disse o vereador e relator da comissão, Wellington de Oliveira, o Delegado Wellington (PSDB).

Segundo o parlamentar, o hospital recebeu aproximadamente R$ 680 milhões do Sistema Único de Saúde (SUS) entre 2017 e 2019 para procedimentos de média e alta complexidade. Por conta do montante de recursos e da falta de clareza e transparência na utilização deles, a comissão pede ainda que o novo contrato entre a Santa Casa e a prefeitura seja mais rígido. “São necessárias mais regras, principalmente de transparência”, ressaltou.

Ainda conforme o documento, que levou em consideração dados disponibilizados pelo hospital e pelo poder público, há também incoerências quanto aos valores das dívidas, que hoje estariam em R$ 180 milhões. Porém, matéria do jornal Correio do Estado publicada em outubro deste ano aponta que a dívida estaria em R$ 300 milhões, contabilizando os juros dos empréstimos.

Desde 2013, a Santa Casa da Capital está mergulhada em dívidas com agentes financeiros, em decorrência de empréstimos cujos valores só aumentam. Para poder comprar medicamentos no mês passado, o hospital realizou outro empréstimo, desta vez de R$ 10 milhões, com o banco Daycoval. 

Além desse, o diretor-presidente da Associação Beneficente Santa Casa de Campo Grande (ABCG), Esacheu Nascimento, confirmou que a instituição hospitalar já tinha um empréstimo de R$ 140 milhões com a Caixa Econômica Federal (valor sem os juros). No caso da Caixa, as taxas são de 22% ao ano, e do Daycoval os juros são um pouco menores, de 12%.

Esacheu afirmou que os empréstimos são desde a época em que o hospital sofreu intervenção do poder público – que durou oito anos (entre 2005 e 2013). “Aquilo é fruto da dívida que nós recebemos da Santa Casa, não é dívida que nós fizemos. O problema é que nós recebemos R$ 168 milhões em dívidas, paguei R$ 30 milhões e, de repente, eu tenho que pegar outro empréstimo para poder cobrir e tocar o hospital”, disse, no mês passado. 

Para resolver as discrepâncias, uma das sugestões da Câmara é que o hospital tenha uma conta única para receber os repasses da prefeitura, para não misturar com recursos privados. Outra recomendação é que, para dar mais transparência ao contrato, a Santa Casa apresente relatório com prestação de contas à Comissão Permanente de Saúde da Câmara para que os dados sejam avaliados.

NOVO CONTRATO

O texto da nova contratualização foi concluído próximo ao período que deveria ocorrer a assinatura do contrato entre Santa Casa e prefeitura, para repasse pelos serviços prestados a pacientes do SUS. Atualmente o centro médico recebe cerca de R$ 294 milhões por ano vindos da administração municipal e dos governos federal e estadual.

O contrato assinado em julho tinha validade de 90 dias e acabou no dia 31 de outubro. Para não ficar descoberto durante o período de renegociação, o contrato teve sua validade prorrogada por mais 30 dias e continua válido até o fim deste mês. Antes deste texto, porém, o hospital recebia R$ 264 milhões, mas teve reajuste após a abertura da Unidade de Trauma.

Na nova contratualização – ainda em negociação –, a prefeitura pede mais serviços sob o mesmo valor. O plano é dar mais atenção às cirurgias eletivas e equilibrar a quantidade de procedimentos feitos pela urgência e emergência com os que têm data marcada. Na terça-feira (19), o hospital deve apresentar uma contraproposta.

O superintendente de Relações Institucionais da Sesau, Antônio Lastória, explica que a ideia é equilibrar o atendimento cirúrgico eletivo e emergencial – 50% para cada um. “Para que no futuro a gente consiga inverter esses números e chegar a 80% eletiva e 20% emergência”. Atualmente, conforme dados do próprio hospital, das 200 cirurgias realizadas por dia na unidade, cerca de 50 são eletivas, ou seja, 75% são de urgência e emergência.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Menores infratores armam motim<br> e 27 fogem de Unei pela porta da frente
FUGA EM MASSA

Menores infratores armam motim e 27 fogem de Unei
pela porta da frente

STJ deve decidir destino de Jamil Name nesta semana
MILÍCIA ARMADA

STJ deve decidir destino de Jamil Name nesta semana

Após picada de abelha, motociclista alérgico é resgatado por policiais
BR-163

Após picada de abelha, motociclista alérgico é resgatado por policiais

DOF apreendeu 100 toneladas<br> de maconha em 1 ano em MS
TRÁFICO DE DROGAS

DOF apreendeu 100 toneladas de maconha em 1 ano em MS

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião