Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

MAIS DE R$ 10 MILHÕES

Endividada em R$ 300 milhões, Santa Casa quer mais empréstimos

Situação do hospital é crítica e foi necessária intervenção da Sesau para liberar quantia milionária

3 OUT 19 - 19h:21NATALIA YAHN

O colapso financeiro da Santa Casa de Campo Grande chegou ao seu ápice nesta semana. O maior hospital de Mato Grosso do Sul não tem mais recursos próprios ou formas para conseguir novos empréstimos e com isso, de acordo com autoridades de saúde ouvidas pelo Correio do Estado, os atendimentos podem ser prejudicados. 

A reportagem apurou que a dúvida total com empréstimos chega a R$ 300 milhões. Desde 2013, a Santa Casa da Capital está mergulhada em dívidas com agentes financeiros, em decorrência de empréstimos cujos valores só aumentam. 
Porém a última informação oficial é das demonstrações contábeis do hospital, publicadas no Diário Oficial de Campo Grande (Diogrande) do 24 de abril deste ano - o balanço financeiro publicado é igual ao publicado em dezembro do ano passado. Os documentos mostram que, no dia 20 de dezembro de 2013, a entidade obteve empréstimo com a Caixa Econômica Federal  (CEF) de R$ 80 milhões, a uma taxa de juros efetiva mensal de 1,21%, com prazo de amortização de 84 meses.

Em 31 de março de 2017, um novo empréstimo foi feito pelo hospital também com a CEF, de R$ 100 milhões, a uma taxa de juros efetiva mensal de 1,75% e prazo de amortização de 120 meses. O dinheiro serviu para quitar empréstimos que já haviam sido feitos com o banco Santander e cujos valores não foram mencionados.

Em 30 de novembro de 2017, a entidade optou por realizar um novo empréstimo na Caixa Econômica, desta vez, o montante foi de R$ 30 milhões, a uma taxa de juros efetiva mensal de 1,53%, com prazo de amortização de 120 meses. Somados, os valores ultrapassava R$ 210 milhões, e ao fim de 2017 a dívida do hospital com os bancos estava em R$ 177.776.985.

Agora a última cartada da diretoria da Associação Beneficente (ABCG) é a tentativa de empréstimo no valor de R$ 10 milhões com um banco de São Paulo. Mas com toda a margem comprometida, a Santa Casa precisou de aval da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) para conseguir formalizar o empréstimo. A pasta confirmou ter avalizado, porém somente com avala da Procuradoria-Geral do Município (PGM).

E mesmo com a anuência da Secretaria, as contas do hospital permanecem sob sigilo absoluto para a prefeitura. “Essa dívida só aumenta. Em outubro termina o convênio do  município e vamos ter que renovar. Eu não sei como vai ser, pois está difícil a negociação”, disse uma fonte que preferiu não ser identificada.

Ele observou que qualquer que seja a quantia repassada para a Santa Casa, o valor sempre será insuficiente. “A gente pode entregar qualquer repasse, sempre estão devendo funcionários, fornecedores, tudo. Nenhuma quantia basta”, afirmou.

Para conseguir o valor do empréstimo a tempo de quitar algumas das dívidas e impedir uma greve geral foi montada uma verdadeira força-tarefa. O secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, recebeu o presidente da ABCG, Esacheu Nascimento na segunda-feira (30), que pediu a conivência do município com o novo empréstimo. “Na verdade o repasse feito fica uma parte já com a União, nem chega na conta do hospital, para quitar a algumas dívidas com bancos federais. E o que vem mesmo não é o valor cheio do que o município deposita (por mês são aproximadamente R$ 24 milhões)”, disse.

O titular da Sesau viajou para Brasília (DF) e por isso deixou seu aval para o empréstimo, com ressalva. Era necessário parecer da PGM para que o mesmo fosse validado. “A PGM analisa a legalidade da cessão de direito de crédito a ser realizado entre a Santa Casa e instituição financeira  credenciada pelo Ministério da Saúde. A cessão de crédito é regulamentado. A contratação do empréstimo pretendido vai depender do atendimento dos requisitos delimitados pela regulamentação”, afirmou o procurador-geral do município, Alexandre Ávalo.

Para informar sobre a situação financeira, a direção da ABCG convocou uma reunião extraordinária que será nesta sexta-feira (4), às 9h. No convite Nascimento chama todo o corpo clínico para a reunião sobre a “situação econômica e financeira da Santa Casa”. Ele foi procurado pela reportagem, mas não atendeu as ligações.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

OAB recomenda que Assembleia siga trâmite da PEC da reforma da Previdência
MATO GROSSO DO SUL

OAB recomenda que Alems siga trâmite da reforma da Previdência

Homem morre após ser atropelado e motorista foge em cidade de MS
INTERIOR

Homem morre após ser atropelado e motorista foge

De 79 municípios de MS, 74 enfrentam epidemia de dengue
BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

De 79 municípios de MS, 74 enfrentam epidemia de dengue

Mega-Sena pode pagar hoje R$ 31 milhões
LOTERIA

Mega-Sena pode pagar hoje R$ 31 milhões

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião