AÇÃO DO GAECO

Empresário é um dos presos em operação contra prefeitura

Mandados apuram irregularidades em licitações de Rio Brilhante
12/06/2019 11:13 - RAFAEL RIBEIRO


 

Policiais civis de Dourados cumpriram mandado de prisão temporária na manhã desta quarta-feira (12) contra o empresário Ademir Belarmino da Silva, durante operação que tem a prefeitura de Rio Brilhante como um dos alvos. Ele é proprietário de loja de comércio de móveis e de uma empresa de turismo.  

Segundo apurado pelo portal 'Dourados News', a determinação partiu do juiz Jorge Tadashi Kuramoto e vale por cinco dias. 

Os motivos da ação ainda são desconhecidos até para a defesa do empresário. A operação é comandada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de Mato Grosso do Sul.

O prefeito de Rio Brilhante, Donato Lopes da Silva (PSDB), emitiu nota nesta manhã afirmando estar à disposição para esclarecimento dos fatos, porém, também não foi informado sobre do que se trata a operação.  

Conforme informações preliminares, a ação teria como alvo processos licitatórios realizados em Rio Brilhante. 

Além do empresário, investigadores apreenderam vários outros documentos em Dourados e também na prefeitura daquela cidade. Há viaturas em frente à sede do poder municipal. 

Em Dourados há pessoas detidas. Computadores e documentos apreendidos na ação foram levados ao 1º Distrito Policial. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".