Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Em uma hora, temporal causa alagamentos e deixa estragos; Veja o Vídeo

Além disso quedas de árvores tiveram record de ocorrência dos Bombeiros
19/10/2019 14:05 - BRUNA AQUINO, SÚZAN BENITES E NAIANE MESQUITA


 

A previsão do tempo em Campo Grande se confirmou e a chuva chegou com força no final da manhã deste sábado (19) e causou vários estragos. Um dos trechos da Coronel Antonino, próximo ao Terminal Nova Bahia, ficou alagado por volta das 12 horas, dificultando a passagem de veículos no local. Mas não parou por aí, na região do Aero Rancho o volume de chuvas foi tão intenso que alagou ruas inteiras. Na avenida Raquel de Queiroz, uma das principais vias do bairro, quase não se via o asfalto. Outro trecho em que as ruas pareciam encontros de rios foi o cruzamento das ruas Clevelândia e Graça Aranha.

Na região do bairro Nova Lima, algumas ruas também sofreram com alagamentos devido ao grande numero de chuva em pouco tempo. A situação foi semelhante na Rua Brilhante e imediações e na avenida Bandeirantes que chegou até arrancar um pedaço do asfalto no trecho com a rua Congonhas, na Vila Bandeirantes e também na avenida Ernesto Geisel próximo as obras da prefeitura. 

A acadêmica de administração, Bárbara Nara, conta que levou mais de 45 minutos para chegar à faculdade localizada na região Sul da Capital. "Eu saí de casa (Jardim Seminário) 12h e tinha dado apenas uma garoa, na região central estava chovendo, mas normal, quando estava perto da Universidade Federal estava tudo escuro mal dava para ver a rua. Quando demoro muito levo 30 minutos para chegar e hoje levei 47 minutos", disse. 

No bairro da moradora Pressia Zaro, no Jardim Sumatra, com a chuva a enxurrada foi grande e quase chegou nas janelas dos carros. "Aqui no bairro Jardim Sumatra a chuva foi grande, o bairro está esquecido, as ruas por aqui não tem nenhuma boca de lobo", destacou.

QUEDAS DE ÁRVORES
Muitas são as ocorrências envolvendo quedas de árvores por conta dos ventos fortes, foram registradas durante o vendaval pelo menos 37 casos de árvores caídas, segundo o Corpo de Bombeiros. Grandes estragos ocorreram no bairro Zé Pereira, região oeste da cidade. Na rua João da Mata, uma árvore de grande porte caiu em cima de uma caminhonete F4000 e danificou o veículo. 


Já na Prudêncio Tomás, teve queda de poste e de uma árvore. Segundo a moradora Raiane Coronel, 27 anos, que estava dentro da casa no momento do incidente, a árvore destruiu o portão e impediu a saída dela e do filho da residência. “O portão não abre, estou esperando ajuda. Os vizinhos se revezaram para ligar para os Bombeiros e a Energisa”, explica.

De acordo com Raiane, as casas da rua foram destelhadas devido o vento forte que atingiu a região durante a chuva. “Também caiu um poste na outra casa”, indica.

Segundo os Bombeiros a ocorrência mais grave ocorreu na Rua Elenir Amaral também no Zé Pereira. Lá, parte de uma casa germinada que estava em construção caiu em cima de outra e corre risco de desabamento total. Uma equipe de socorristas está no local fazendo o monitoramento do imóvel e não houve feridos. 

Segundo o meteorologista Natálio Abrahão, ocorreram pancadas de chuva isoladas em diversos pontos da cidade, com vento forte de 55,56 km/h. Ao todo foram contabilizados 26 mm de chuva em apenas 1 hora, com cerca de 173 raios nesse período. A temperatura também caiu em pouco tempo, de 33 graus para 22 graus.

PREVISÃO DO TEMPO
Ainda neste sábado, em Campo Grande o tempo deve ficar nublado a parcialmente nublado com pancadas de chuva e trovoadas isoladas durante a tarde e noite. A temperatura máxima fica em torno de 33°C. 

No domingo e segunda-feira a frente fria estará estacionária, deixando o tempo nublado com pancadas de chuva e trovoadas, especialmente no norte do estado. Na terça-feira a frente fria se afasta do estado. O tempo começa nublado passando a parcialmente nublado no decorrer do dia. O ar frio continua predominando diminuindo as temperaturas máximas mais um pouco. 

 

Felpuda


O sumiço de algumas figurinhas carimbadas da política não acontece em virtude da necessidade de isolamento como uma das formas de prevenção à pandemia. Em verdade, seria porque não têm mesmo o que e a quem falar. Com o advento das redes sociais, quem acha que fazer campanha eleitoral continua como na época do “eu prometo” está a um passo de ver o sonho de conquistar mandato se transformar em pesadelo. Pelo jeito, não estão nem conseguindo dormir.