ROTA DO TRÁFICO

Em nova ação, PF e PRF apreendem <br>295 quilos de pasta base de cocaína

Na semana passada, corporações apreenderam 889 quilos de cocaína pura
26/03/2018 06:46 - RENAN NUCCI


 

Nova ação conjunta entre a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) resultou na apreensão de 295 quilos de pasta base de cocaína ontem, em diferentes locais de Mato Grosso do Sul. Dois suspeitos foram presos. Na quinta-feira passada, as corporações apreenderam 889 quilos da droga pura, com grupo que seguia pela região de Água Clara.

Segundo boletim de ocorrência, um dos flagrantes deste domingo aconteceu na rodovia MS-276, entre Indápolis e Deodápolis. O material era levado em um caminhão e o motorista, de 39 anos, acabou preso em flagrante por tráfico de drogas. Já na BR-163, região de Dourados, o motorista de outro caminhão, de 38 anos, também foi preso.

De acordo com a polícia, nos dois casos a droga seguia de Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai, com destino ao estado de São Paulo, escondida em fundos falsos da carroceria, sob carga de soja. Em grandes centros como São Paulo e Rio de Janeiro, o quilo da cocaína pura (cloridrato) pode valer até R$ 30 mil, motivo pelo qual os traficantes se arriscam.

MAIS APREENSÕES

Ontem, um jovem de 21 anos foi preso pela Polícia Militar Rodoviária de São Paulo em Presidente Epitácio (SP), com três quilos de cocaína. Ele estava em um ônibus que saiu de Ponta Porã e seria recompensado em R$ 3 mil para entregar o material em Campinas (SP). Na ocorrência da semana passada, dos 889 quilos, PF e PRF prenderam cinco pessoas, entre elas o chefe de uma quadrilha.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".