Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ENSINO ESTADUAL

Em escola, criança é impedida de ir ao banheiro e defeca na roupa

Indignação do pai gerou confusão dentro da unidade de ensino
13/11/2019 18:08 - ALÍRIA ARISTIDES


 

Um aluno de 9 anos passou por um episódio traumático dentro de uma escola de ensino estadual, localizada na cidade de Aquidauana, nesta terça-feira (13). A situação ocorreu após a criança supostamente ser impedida pela professora de ir ao banheiro e acabar defecando na própria roupa, o que causou revolta para o pai do menino, que foi até o local tirar satisfação com os responsáveis pela unidade de ensino. 

De acordo com o site O Pantaneiro, o pai da criança, um professor universitário não identificado, teria recebido uma mensagem do filho falando que precisava ir ao banheiro, mas que a professora não havia permitido. “Ele me mandou a mensagem e fui até a escola. Chegando na porta da sala de aula, chamei a professora e falei para chamar meu filho e perguntei se era ela ou ele que tinha mandado a mensagem. Só que, ao invés dela tirar ele da sala e conversar em particular comigo ou com ele, ela começou a falar alto na sala”, relatou o pai.

Segundo a diretoria da escola, em momento algum o estudante deu algum sinal ou relatou a necessidade de precisar ir ao banheiro para a professora, tendo direcionado o pedido apenas para o pai. 

Ainda segundo o pai, o garoto é extremamente tímido e teria dificuldade para fazer pedidos. “Ele é muito vergonhoso, jamais ia falar alto que queria ir ao banheiro. Ela falou alto que ele não poderia usar celular e eu falei que esse não era o procedimento. Chamei meu filho, ela colocou o braço nele e disse que ele não ia sair. Eu falei para a professora 'me desculpa', coloquei o braço para pegá-lo e tirei ele da sala”, explica. 

O pai ainda destaca que, ao sair da sala, o menino estava andando até travado. Ao ver a cena, o homem se dirigiu para a coordenação para reclamar sobre o ocorrido. “A professora apareceu lá falando que ia registrar boletim de ocorrência porque eu tinha invadido a sala. Quando voltei pra ver, ele já tinha feito [na roupa] e me pediu desculpa.”, finaliza. Segundo o professor universitário, que tem mais dois filhos, uma  menina de 7 e um menino de 13 anos, o problema só não foi maior porque ocorreu fora da sala de aula e longe dos colegas da turma. 

POSICIONAMENTO 

A Secretaria Estadual de Educação (SED) se posicionou sobre o ocorrido através de nota. Segundo a SED, “em momento algum, o estudante comunicou à professora o desejo de sair da sala para ir ao banheiro”. 

No comunicado, é reforçado que o pedido de ida ao banheiro foi enviado apenas ao pai via celular. Ainda é salientado que “de acordo com a direção, ao chegar na EE o responsável se dirigiu de forma ríspida e empurrou uma das servidoras enquanto era impedido de ir até a sala de aula, uma vez que não havia se identificado antes de entrar na unidade”.  A SED ainda lamenta o ocorrido e salienta que não houve falha nos procedimentos previstos no regimento escolar.       

Felpuda


Certa pré-candidatura à Prefeitura de Campo Grande nasceu com grandes brechas que certamente serão usadas pelos adversários no período da campanha eleitoral, segundo voz corrente nos bastidores políticos. Uma delas: como o postulante vai dizer que fará boa administração se no período em que administrou conhecida instituição passou boa parte do tempo reclamando de crise financeira e ameaçando fechar as portas?