MANIFESTAÇÃO

Ato em apoio ao governo de Bolsonaro reúne milhares de pessoas na Capital

Público pede pela celeridade na reforma da previdência
26/05/2019 17:07 - EDUARDO PENEDO


 

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PSL) foram às ruas em dezenas de cidades pelo país, em grande parte vestindo as cores verde e amarelo e carregando bandeiras do Brasil. Em Campo Grande não foi diferente, convocados pelas redes sociais às 13 horas em frente ao Ministério Público Federal (MPF), soltaram fogos para chamar outros apoiadores. Aproximadamente 4 mil pessoas participaram dos protestos, na Avenida Afonso Pena, em frente ao Ministério Público Federal. Os números são da organização do evento.

A expectativa era reunir 30 mil pessoas. O presidente Jair Bolsonaro obteve 55,06% dos votos no Estado e  71,27% dos votos na Capital.

Na tarde deste domingo, uma notícia falsa, atribuída ao Correio do Estado, de que os protestos atraíram 30 mil pessoas em Campo Grande, circulou pela internet, em grupos de What's App. A Polícia Militar também aponta entre 3 e 4 mil pessoas na manifestação.

Às manifestações ocorrem  também em Dourados, Três Lagoas, Cassilândia, Jardim e Guia Lopes. Os atos buscaram demonstrar apoio à Reforma da Previdência (inteiro teor), da MP 870 (Redução do número de Ministérios e Conselho de Controle de Atividades Financeiras - Coaf com Moro), do pacote anticrime do ministro da Justiça, juiz Sérgio Moro, da CPI Lava Toga e de um “Centrão a favor do Brasil”.

Maria Helena Farias de Coelho, 68 anos, disse que veio na manifestação para lutar pelos seus netos. "Precisamos dar celeridade a reforma da previdência. Seis meses de governo não muda muito, mas temos que ter fé. É roubalheira em cima de roubalheira", explica a professora de história aposentada.

O gerente comercial Luiz Claudio Reis, de 50 anos, trouxe a esposa e os três filhos e disse a reportagem do Correio do Estado que dentre tantos problemas a reforma é o que precisa andar. “Isso tem que ser prioridade, sem a reforma da previdência vai dar muito problema para a população. Eu trouxe meus filhos para incentivá-los desde cedo a lutar pela democracia e não a corrupção”, disse.

Com bandeiras, carros, e até cavalos, milhares de pessoas estão paradas na avenida em forma de protesto. Cerca de cinquenta caminhoneiros chegaram ao local e estacionaram os caminhões em todo quadrilátero da avenida onde a manifestação acontece. 

Alguns analistas políticos acreditam que as manifestações podem servir de termômetro do apoio a um governo que recebeu a pior avaliação para um começo de mandato nos últimos 24 anos e foi alvo de uma grande mobilização da oposição em seu quinto mês de vida, motivada pelos cortes nas universidades públicas.

Participam da manifestação os deputados federais Luiz Ovando, Loester Trutis, senadora Soraya Thronicke, os deputado estaduais Capitão Contar e João Catan entre outros políticos. A manifestação conta ainda com a participação do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniência de MS (Sinpetro), Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação de MS (Seac/MS) e Associação sul-mato-grossense de Atacadistas e Distribuidores (Asmad).

 

*Colaborou Bruna Aquino

 

 

 

 

 

 

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".