Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 12 de dezembro de 2018

CRIME ORGANIZADO

Em 48 horas, Ponta Porã tem o terceiro executado por pistoleiros

Provável disputa do controle do tráfico na fronteira vem deixando um banho de sangue

7 DEZ 2018Por RAFAEL RIBEIRO08h:47

Em menos de 48 horas, Ponta Porã teve mais um caso de assassinato registrado. Por volta das 9h desta sexta-feira (7), Marlon Martins, 38 anos, mais conhecido como Magrão, foi exsecutado a tiros na porta de casa por homens que o procuraram fingindo serem entregadores.

A dupla fugiu a pé após o crime e seguia sem ser identificada até a publicação desta reportagem.

Martins morava há pouco tempo na cidade. Era de Santa Catarina e acompanhava a mulher, que estuda medicina no Paraguai.

OUTROS CASOS

Pistoleiros em moto executaram a tiros um tatuador paraguaio na porta de seu estabelecimento comercial, na tarde de quarta-feira (5), no centro de Ponta Porã.

Nicanor Garay Ovelar, 40 anos, foi atingido por diversos disparos de pístola calibre 9 milímetros. Segundo testemuinhas, ele tentou correr ao ver a aproximação da dupla na moto.

Era o segundo assassinato em menos de cinco horas na cidade da fronteira. Antes, o empresário Wanderley Almeida, 46, havia sido executado.

Ninguém havia sido preso pelos crimes até a publicação desta reportagem. A suspeita é de que possam ter sido cometidos pela mesma pessoa.

O caso de Almeida, no entanto, possui mais informações. Testemunhas afirmaram que os suspeitos fugiram em uma camionete de cor branca. 

Segundo o site 'Porã News', as testemunhas contaram que os pistoleiros chegaram ao local na camionete e sem falar nada atiraram, também com uma pistola 9 mm. A vítima abastecia o veículo em frente a sua residência, no Jardim Universitário, quando foi assassinada.

Almeida chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos. Ele era proprietário de caminhões e tinha uma empresa de ônibus no município. 

Agentes da Polícia Civil recolheram imagens de câmeras de segurança instaladas na região para tentar identificar os suspeitos.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também