MS-377

Dupla é presa por tráfico de drogas e corrupção de menor

Homens transportavam maconha e adolescente era passageira
21/05/2019 18:14 - GLAUCEA VACCARI


 

Um borracheiro de 20 anos e um ajudante de funileiro, de 25, foram presos por tráfico de drogas de corrupção de menor, na manhã de hoje, na MS-377, entre Inocência e Água Clara. Uma adolescente de 17 anos foi apreendida.

De acordo com a Polícia Militar Rodoviária (PMR), durante policiamento na rodovia, policiais visualizaram um Honda Civic e um Monza em alta velocidade. Equipe iniciou perseguição e alguns quilômetros a frente, o Civic foi abordado e policiais.

O borracheiro conduzia o veículo e negou que tivesse ligação com o outro veículo, afirmando que seguia de Campo Grande para Inocência, onde entregaria o carro para um comprador. No entanto, o homem não soube dizer o nome, endereço, telefone do comprador ou o valor da suposta negociação. 

Já próximo a entrada de Inocência, o Monza, ocupado pelo motorista e a adolescente, foi abordado, após realizar manobra de retorno em uma rotatória. O homem deu a mesma explicação do suspeito do Civic, dizendo que viajava para Cassilândia para vender o carro. 

Diante da suspeita por conta das versões, foi realizada vistoria nos veículos e, foi constatado que o porta-malas do Monza exalava forte odor de maconha, mas não havia droga. Dessa forma, foram realizadas diligências às margens da rodovia, foram encontrados 53 tabletes de maconha, que totalizaram 44,8 quilos da droga próximo ao local onde o condutor fez o retorno, o que aponta que ele jogou a maconha para tentar evitar o flagrante.

Por conta da adolescente que estava no veículo, os dois adultos foram autuados por corrupção de menor, além de tráfico de drogas e associação criminosa. Todos foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil de Inocência. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".