DIÁRIO OFICIAL

Detran dá ultimato para donos de 1.262 veículos apreendidos

Proprietários têm 10 dias para regularizar a documentação sob pena de colocar os carros para leilão
15/01/2020 09:05 - DAIANY ALBUQUERQUE


 

Donos de 1.262 veículos que estão apreendidos em pátios do Departamento de Trânsito de Mato Grosso do Sul (Detran-MS) têm dez dias para regularizar a situação de seus carros e fazer o pagamento dos encargos devidos ao órgão, sob pena de que essas motocicletas e carros sejam colocados para leilão.

A publicação foi feita no Diário Oficial do Estado desta quarta-feira (15). Conforme o texto de aviso, caso os veículos postas a leilão sejam vendidos por valor menor que o do dividendo de seu proprietário, os responsáveis serão cobrados de forma judicial pelo valor restante. “Comunicamos que os veículos abaixo descritos poderão ser levados a qualquer modalidade de Leilão, ou seja, para desmontagem, reciclagem ou circulação”, diz trecho do documento.

Os carros estão no pátio das agências dos municípios de: Dourados (1.123), Maracaju (42), Água Clara (3), Anaurilândia (8), Antônio João (2), Terenos (3), Miranda (2), Costa Rica (36), Sonora (3), Rio Negro (13), Rio Verde (21) e Rochedo (6).

Os proprietários citados e que se interessarem em resolver a situação devem ir até o pátio das agências de transporte do município, dentro do prazo informado, que começou a conta a partir desta quarta-feira, para regularizar os pagamentos e retirar o veículo. Além das multas e eventual atraso na documentação dos veículos, as motocicletas e carros que estão no pátio dos órgãos pagam diária para o tempo que permanecer no local.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".