Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Desprezo ao toque de recolher aumenta e contágio avança

Na última semana, volume de denúncias aumentou, total de abordagens foi reduzido, desrespeito tornou-se visível e boletins mostraram aumento do contágio
23/05/2020 09:00 - Fábio Oruê


 

Desde que o decreto do toque de recolher passou a valer de 0h até as 5h em Campo Grande, o número de denúncias recebidas pela Guarda Civil Metropolitana (GCM) aumentou, e a média atual supera a do mesmo período em abril, quando o horário em que a circulação era proibida ia das 22h às 5h.

O toque de recolher foi criado para evitar que a população circule durante o horário de proibição e, consequentemente, diminua a circulação do coronavírus no município, mas o que se tem visto na prática é diferente: enquanto as reclamações se multiplicam, as autuações diminuem e o contágio na cidade vem crescendo desde o início do mês. No dia 1º de maio, eram 134 casos. Sexta-feira já eram 224 infecções.  

O novo horário do toque de recolher começou a vigorar no dia 29 de abril, e a partir de então as denúncias de descumprimento do decreto feitas pelo telefone 153 passaram a mostrar um crescimento, segundo dados da CGM. A média para maio – até 20/05 – é de 110,2 chamadas recebidas por dia. No mesmo período do mês passado, quando o toque começava às 22h, a média era de 107,6.

Os números variam de dias úteis para fins de semana, que sempre apresentam aumento em relação aos outros dias. Por exemplo, há noites em que são registradas 30 chamadas, e outras chegam a mais de 200, em abril. Já em maio, de 20 dias analisados, cinco registraram menos de 50 denúncias. No total, desde que o decreto passou a vigorar, em 21 de abril, a guarda já registrou mais de 7 mil denúncias.

Além do aumento das ligações mesmo com o toque de recolher durando menos, os dados indicam que o efetivo da guarda passou a abordar menos neste período. Enquanto a média de abordagens de indivíduos e estabelecimentos fiscalizados nos 20 dias de abril é de 116 por dia, neste período de maio a média é 86,7.

O resultado da redução das abordagens pode ser facilmente notado pela população, com exemplos de aglomerações indevidas, em época em que a recomendação é do isolamento social. No fim de semana dos dias 9 e 10, um bar localizado na Avenida Antônio Maria Coelho descumpriu os decretos municipais, com portas abertas além do horário permitido, shows musicais com banda e aglomeração de pessoas em seu interior, situações proibidas durante a pandemia.

Em vídeo, um campo-grandense denunciou o bar lotado. Nas fotos publicadas nas redes sociais do estabelecimento, os shows e aglomerações são visíveis.  

Por causa da situação, o proprietário foi notificado e multado em mais de R$ 8 mil.

Festas em bairros afastados do centro da Capital e reuniões em casas residenciais também foram denunciadas ao Correio do Estado.

PREFEITO

O prefeito Marcos Trad (PSD) disse que também vem recebendo as denúncias e que, como medida para fazer cumprir o decreto, reforçará o efetivo da Guarda Metropolitana. “Antes índice diário da aceitação [do decreto] era alto, mas parece que com o passar dos dias as pessoas começaram a relaxar. [...] A partir dessa noite [sexta para sábado], vamos dobrar o efetivo”, disse ele sobre uma ação neste fim de semana para flagrar aglomerações ilegais em Campo Grande.

Trad adiantou que a prefeitura identificou alguns locais e irá diretamente neles. “A própria comunidade, pessoas que participam das festas, chega um certo ponto e percebe que aquilo é errado. Recebemos muitas denúncias de festas, jogos de futebol, e vamos começar as batidas. Nós vamos fotografar, filmar e levar para delegacia para que eles tomem as medidas necessárias”, revelou ele ao Correio do Estado.

MAIS SUSPEITAS

O aumento do descumprimento das medidas de isolamento por parte da população poderá ser sentido daqui a alguns dias na saúde do município, já que o vírus pode ficar incubado durante 14 dias em uma pessoa, que pode não apresentar sintomas nesse período.

Os dados do desrespeito ao toque de recolher mostram que nos dias 24 e 25 de abril, o número de pessoas que estavam na rua e foram abordadas bateu o recorde desde que o decreto entrou em vigor: 341 e 327 pessoas, respectivamente.

Mais tarde, a partir do dia 19 de maio, o Centro de Triagem do Parque Ayrton Senna passou a atender mais casos suspeitos da Covid-19.  

Conforme informações do boletim epidemiológico do polo Ayrton Senna, os atendimentos saíram de uma média de 18 por dia na semana passada (de 10 a 16 de maio) para 39,5 por dia nesta semana (17 a 20 de maio). Só na quarta-feira (20), 56 pessoas procuraram o local com sintomas da Covid-19, das quais 43 foram classificadas como casos suspeitos de coronavírus.

*Matéria alterada às 09h58 para correção de informação.

 
 

Felpuda


A tal estratégia de jogar informações nas redes sociais com objetivo de prejudicar adversários está começando a gerar reações. Uma dessas figurinhas vai ter de explicar, na Justiça, o por quê de postagem trazendo suspeitas pesadas contra cabeça coroada, que não gostou nadica de nada de ver o seu nome sendo usado como “bucha de canhão” para fins eleitoreiros. Vem chumbo grosso por aí! E sai debaixo!...