Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PROCESSO ARQUIVADO

Desembargador investigado por falhas em precatórios é inocentado pelo CNJ

Paschoal Carmello Leandro atuava como vice-presidente do TJMS

27 JUN 17 - 13h:28MARESSA MENDONÇA

O desembargador Paschoal Carmello Leandro foi inocentado hoje em ação movida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre supostas falhas nos pagamento de precatórios do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. O processo foi arquivado.

À reportagem do Portal Correio do Estado, o advogado de Carmello, Juliano Tannus comentou que a decisão foi unânime.

“Reconheceram a tese apresentada pela defesa e todas as contribuições dele no setor de precatórios”, declarou o advogado.

Tannus mencionou ainda a portaria 629 de 2014, assinada pelo desembargador, que regulamentou os procedimentos de pagamento de precatório no Estado.

“O CNJ reconheceu a lisura nas atividades do desembargador e que não teve ilicitude no processo administrativo”, finalizou.

No ano passado, Paschoal Carmello Leandro atuava como vice-presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, quando foi processado por supostas falhas nos precatórios.

Além dele, o ex-vice-presidente do Tribunal, João Batista da Costa Marques e o juiz Aldo Ferreira da Silva Júnior também foram investigados.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Após 1º caso, Saúde alerta para baixa vacinação contra sarampo
ATENÇÃO!

Após 1º caso, Saúde alerta para baixa vacinação contra sarampo

Professor com quatro empregos usava atestados para dar conta das funções
FOI CONDENADO

Professor usava atestados para dar conta de 4 empregos

Chuva não dá trégua e cerca de parque não foi reparada; animais já andam pela via
TEMPORAL

Cerca de parque não foi reparada e animais andam pela via

Não somos donos do poder, mas inquilino dele, diz corregedor do CNJ sobre inspeção no Judiciário
INSPEÇÃO NO TJMS

Não somos donos do poder, diz corregedor do CNJ

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião