Campo Grande - MS, quarta, 15 de agosto de 2018

Passional

Após 32 anos de casado, homem não aceita separação, atira em ex e tenta se matar

Crime foi diante de filha, genro e netos

22 JUN 2017Por VÂNYA SANTOS11h:15

Oswaldo Martins de Oliveira, de 50 anos, atirou contra a cabeça depois de ferir a tiros a ex-esposa Rute Gonçalves de Matos, 46 anos. Caso aconteceu ontem, em residência localizada na Rua João Miguel Espíndola, Bairro Nossa Senhora da Aparecida, em Laguna Carapã.

O autor dos disparos é quem está em estado mais grave e precisou ser transferido para o Hospital da Vida, em Dourados.

Genro do casal relatou para a polícia que autor e vítima foram casados durante 32 anos e estavam separados há cerca de seis meses. Todavia, o homem não aceitava o fim do relacionamento.

No último dia 15, Oswaldo, que é alcoólatra, havia procurado Rute, ocasião em que discutiram e o ex ameaçou matar a mulher.

Conforme relatos da testemunha, a vítima tomava tereré em casa, acompanhada do genro, da filha e dos netos, quando foi surpreendida por Oswaldo que adentou ao local por meio de um corredor.

Ele então disse a Rute: “Cê disse que a polícia iria me prender”. Em seguida, sacou arma de fogo calibre .38 e apontou para a ex.

A mulher então avançou sobre o homem e passou a lutar para tentar desarmá-lo. Já o genro colocou a esposa e os filhos dentro de casa e, quando retornava para separar a briga, ouviu disparos. Ao perceber que havia ferido Rute no peito, Oswaldo apontou a arma em direção a própria cabeça e atirou.

Ambos foram socorridos e levados ao hospital. No local do crime, Polícia Militar apreendeu o revólver e cinco cápsulas deflagradas.

"Foram quatro disparos, dois atingiram o braço e entre o ombro e o peito da vítima. O homem deu um tiro na têmpora e está em estado mais grave. Foi transferido para o Hospital da Vida em Dourados. A mulher não corre risco de morrer", explicou o delegado regional adjunto e responsável pela delegacia em Laguna Carapã, Jeferson Rosa Dias.

Foi instaurado inquérito e a polícia aguarda familiares para fazer oitivas e conduzir a investigação.

*Editada às 14h53 para acréscimo de informações.

Leia Também